Jogo seria sob medida para Zagallo

O clássico deste sábado cairia sob medida para Zagallo. Se o coordenador da seleção estivesse em Nuremberg com Parreira certamente afirmaria que o Brasil seria o vencedor. A aposta não seria com base apenas na paixão que ele tem pela ?amarelinha?. Mais do que confiar na técnica dos jogadores, o Velho Lobo apostaria suas fichas no 13. Porque esse, afinal, é o número oficial do jogo, na seqüência programada pelos organizadores."O Zagallo iria gostar demais, mas para mim não diz nada", rebateu Parreira, com bom humor, quando lhe lembraram da coincidência."Superstição no futebol só ajuda, quando estamos bem preparados", emendou o treinador titular. "Eu, por exemplo, gosto demais do 7. A partida com o México foi a de número 7 aqui e perdemos." Zagallo, porém, está presente na seleção, embora à distância e ainda recuperando-se de cirurgia no estômago. "Ele está conosco de corpo e alma", garante Parreira, que não perde ocasião de referir-se com carinho a respeito de seu amigo e mentor. "Temos conversado regularmente", revelou. "Ele nos liga, nós ligamos para ele e falamos sobre tudo o que está acontecendo na Alemanha. Ele não está perdendo nenhum detalhe." Parreira tem programada participação especial de Zagallo, na semifinal deste sábado e na decisão, se o Brasil for para Frankfurt. O técnico pediu ao coordenador que enviasse mensagem para os jogadores - em vídeo, pela internet, ou por áudio mesmo. Com isso, seria uma homenagem ao veterano treinador e gesto a mais de incentivo ao grupo."Estamos estudando qual a maneira melhor", afirmou Parreira. "O certo é que ele participará conosco deste momento." A idéia era ter essa sessão nostalgia ainda na noite desta sexta-feira, no hotel em que a seleção se hospeda desde quinta-feira. Na reunião, Parreira também passaria trechos de jogos da seleção da Alemanha, para discutir particularidades do esquema de jogo do adversário e para analisar o desempenho dos atletas rivais. Também estava programada troca de idéias com Juan, Roque Júnior, Gilberto, Lúcio, Zé Roberto - que atuam na Alemanha e convivem com o ?inimigo? deste sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.