Gregorio Borgia/AP
Gregorio Borgia/AP

Jogos da Copa com temperatura acima de 32ºC terão parada técnica

Fifa adota medida apenas para as partidas do Mundial sob intenso calor

Almir Leite e Raphael Ramos - Enviados especiais, O Estado de S. Paulo

05 de dezembro de 2013 | 05h01

COSTA DO SAUÍPE - A Fifa prevê paradas técnicas para hidratação dos jogadores na Copa do Mundo, mas apenas nas partidas em que a temperatura ambiente for superior a 32ºC. O técnico da Itália, Cesare Prandelli, considera a medida insuficiente e pediu à Federação Italiana de Futebol que peça para que no Mundial essa interrupção seja feita em todos os jogos, uma vez em cada tempo. A reivindicação será feita nesta quinta-feira na Costa do Sauípe.

Ainda não está decidido se a entidade vai estudar a questão. No momento, vale a decisão tomada pelo Comitê Executivo em outubro. Diz o texto aprovado pelo órgão que, "para proteger ainda mais a saúde dos jogadores, o Executivo decidiu adotar a parada técnica adicional para reidratação após o 30.º minuto do primeiro e do segundo tempo do jogo, se a temperatura exceder 32ºC". Nesta quarta, consultada pelo Estado, a Fifa reiterou que a decisão do Comitê está em vigor.

Prandelli, porém, entende ser necessária a paralisação em todos os jogos porque não é somente o calor previsto para o mês de junho em várias sedes da Copa que coloca em risco a saúde dos atletas. "Além do calor, há a umidade que, em algumas cidades, é realmente preocupante", disse, com base na experiência que a Itália viveu na Copa das Confederações, quando jogou no Rio, Recife, Fortaleza e duas vezes em Salvador.

No evento-teste para a Copa do Mundo, a única partida em que os italianos dizem ter se sentido confortáveis em campo foi na estreia, contra o México, no Maracanã. O jogo foi disputado às 16h, com temperatura ambiente agradável. Em todos os outros, os jogadores sofreram com o calor e a umidade. Na disputa pelo terceiro lugar, contra o Uruguai, em Salvador, a Itália diz ter vivido seu pior momento. O jogo começou às 13h, sob forte calor, e teve prorrogação. Os italianos ficaram em terceiro lugar na disputa por pênaltis. "Se o objetivo é mostrar um espetáculo para o mundo, é preciso dar aos jogadores a oportunidade de dar um espetáculo", diz Prandelli.

Nas cidades do Sul e Sudeste do País, as condições climáticas não deverão ser desfavoráveis aos jogadores durante a Copa do Mundo. Mesmo assim, Prandelli entende que a parada deve ocorrer em todos os jogos. Nesta terça, Joseph Blatter, presidente da Fifa, enterrou as chances de mudar o horário dos jogos marcados para as 13h. Membro do Comitê Organizador do Mundial e presidente da Uefa, Michel Platini admitiu ao Estado que o horário é para atender às televisões.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014Copa do MundofutebolFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.