Jogos entre Brasil e Chile são marcados por tensão

Estado relembra cinco confrontos polêmicos entre as duas equipes

Nathália Larghi, especial para o Estado, O Estado de S. Paulo

07 de outubro de 2015 | 07h00

Os duelos entre Brasil e Chile sempre foram tensos. O confronto aconteceu 67 vezes e é lembrado pela clássica rivalidade sul-americana e pelas polêmicas que fizeram algumas partidas ficarem marcadas na memória dos torcedores. O retrospecto recente e a atual situação das duas equipes fazem com que o jogo desta quinta-feira, em Santiago, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, seja visto com receio pelos brasileiros. Enquanto o time comandado por Dunga ainda está em formação, o Chile, de Jorge Sampaoli, tem uma equipe entrosada e com moral de quem venceu a última edição da Copa América, neste ano, em casa.

Porém, o amplo número de vitórias do Brasil no confronto, são 47 triunfos contra apenas sete do Chile, faz com que os brasileiros tenham boas lembranças do confronto. Às vésperas do jogo, o Estado reuniu cinco partidas emblemáticas que marcaram a história desse clássico para o torcedor relembrar. Confira também os gols de Robinho, o maior artilheiro do Brasil contra o Chile.

1962 - SEMIFINAL DA COPA DO CHILE 

Mesmo sem Pelé, o Brasil venceu os anfitriões chilenos por 4 a 2 na semifinal da Copa do Mundo de 1962, sob o olhar atento de quase 77 mil torcedores no Estádio Nacional, em Santiago. Eram outros tempos e o time brasileiro encantava. Havia acabado de ganhar uma Copa quatro anos antes, na Suécia, e tinha jogadores de sonho. Com dois gols marcados por Vavá e dois de Garrincha, a seleção garantiu vaga na final do Mundial daquele ano. Os gols do Chile foram marcados por Toro e Sánchez. O Brasil seria o campeão. 

A polêmica daquela partida ocorreu com Garrincha, que foi expulso após ter dado um "pontapezinho de amizade" no lateral Eladio Rojas, como ele mesmo definiu. Porém, o árbitro Arturo Yamasaki não relatou a agressão na súmula, o que rendeu apenas uma advertência do Tribunal da Fifa ao craque das pernas tortas. Mesmo com 38 graus de febre, Garrincha foi a campo na final do torneio, e participou da vitória por 3 a 1 sobre a Tchecoslováquia. Brasil, campeão! O time do Brasil era formado por Gilmar, Djalma Santos, Mauro, Zózimo e Nílton Santos; Zito e Didi; Garrincha, Vavá, Amarildo e Zagallo, comandados por Aymoré Moreira.

1989 - ELIMINATÓRIAS DA COPA DE 1990

No dia 13 de agosto de 1989, Romário peitou os jogadores chilenos antes mesmo de a partida começar. Recebeu amarelo do juiz. O jogo prometia ser tenso. Aos 2 minutos, após confusão, o atacante brasileiro foi expulso porque reclamou de uma entrada violenta de Ormeño em Branco, que só não teve a perna fraturada por milagre naquele 1 a 1. A decisão seria então no Rio.

No Maracanã lotado por 141 mil torcedores, o Brasil venceu o Chile por 2 a 0 em jogo que não terminou. Apesar do placar, o único gol da partida foi marcado por Careca, aos quatro minutos do segundo tempo, após lançamento de Bebeto na área. O principal acontecimento do jogo, no entanto, só aconteceu vinte minutos depois, quando a torcedora Rosinery Mello, que acompanhava a partida no setor atrás do gol chileno, lançou um sinalizador no gramado. Para tentar eliminar o Brasil, o goleiro Rojas cortou com uma lâmina o supercílio esquerdo para fingir que havia sido atingido pelo artefato da Fogueteira, como ela ficou conhecida nas capas de Playboy. O atleta foi retirado de campo pelos companheiros, que se recusaram a retornar ao gramado.

Fotografias, no entanto, mostraram que o sinalizador havia caído a certa distância de Rojas, o que levou a Fifa a investigar o caso e descobrir a fraude. Com isso, o Brasil foi declarado vencedor do confronto. Do outro lado, o goleiro Rojas, o técnico Orlando Aravena, o médico Daniel Rodríguez e o dirigente Sergio Stoppel foram banidos do futebol. Na ocasião, o Brasil entrou a campo com: Taffarel, Aldair, Mauro Galvão e Ricardo Gomes; Jorginho, Dunga, Silas, Valdo e Branco; Bebeto e Careca, sob o comando de Sebastião Lazaroni.

1998 - OITAVAS DE FINAL DA COPA DA FRANÇA

Nas oitavas de final da Copa do Mundo de 1998, o Brasil teve uma de seus triunfos mais emblemáticos sobre o Chile. A seleção, que na época era a campeã do mundo, derrotou os chilenos, que voltavam a disputar um Mundial após 16 anos ausentes, por 4 a 1, no Parque dos Príncipes, em Paris. Os destaques da partida foram o volante César Sampaio e o jovem Ronaldo Fenômeno, que aos 22 anos ainda era conhecido como Ronaldinho e já havia sido eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa duas vezes. O primeiro gol foi marcado por César Sampaio após cobrança de falta ensaiada aos 11 minutos do primeiro tempo. Aos 26 minutos, o volante ampliou a vantagem brasileira. Aos 45 minutos da primeira etapa, o Fenômeno foi derrubado na área pelo goleiro Tapia e aumentou o placar com a cobrança do pênalti. Ronaldo ainda marcou seu segundo gol aos 25 do segundo tempo. O gol de honra chileno foi de Salas, que viria a ser carrasco da seleção alguns anos depois.

Apesar da boa atuação, Ronaldo foi flagrado levando uma bronca do então capitão Dunga, que reclamava do posicionamento do atacante. A seleção que entrou a campo na partida era formada por Taffarel, Cafu, Aldair, Júnior Baiano e Roberto Carlos; César Sampaio, Dunga, Leonardo e Rivaldo; Bebeto e Ronaldo. O técnico era o "Velho Lobo" Zagallo.

2000 - ELIMINATÓRIAS DA COPA DE 2002

O Estádio Nacional, em Santiago, foi palco de uma das vitórias mais marcantes do Chile sobre o Brasil. A equipe comandada por Nelson Acosta venceu a seleção brasileira por 3 a 0 com verdadeiro show de Marcelo Salas e Ivan Zamorano, a dupla infernal de atacantes que os chilenos tinham. O placar foi inaugurado aos 26 minutos do primeiro tempo com Fabian Estay após lançamento de Salas. Aos 43 minutos, a equipe chilena ampliou com Zamorano após falha de Antônio Carlos. Salas fez o último gol da partida aos 28 da segunda etapa. O time derrotado pelo Chile contava com Dida, Evanílson, Antônio Carlos, Edmilson e Roberto Calos; Emerson, Marcos Assunção, Alex e Ricardinho; Amoroso e Rivaldo, que, na ocasião, eram treinados por Vanderlei Luxemburgo. O revés, no entanto, não foi tão danoso. Após se classificar para o Mundial com dificuldade, a seleção brasileira conquistou o pentacampeonato na Copa do Mundo de 2002, sob o comando de Felipão.

2014 - OITAVAS DE FINAL DA COPA

A lembrança mais recente na cabeça dos brasileiros é a do empate em 1 a 1 pelas oitavas de final da Copa de 2014. A classificação foi decidida nos pênaltis e o choro do capitão Thiago Silva foi o assunto mais falado no Brasil antes da fatídica derrota da seleção para a Alemanha por 7 A 1. O Brasil abriu o placar aos 18 minutos de jogo com David Luiz, após cobrança de escanteio do craque Neymar. Porém, aos 31 minutos, Alexis Sánchez empatou depois de cruzamento de Vargas. Mesmo tendo chances de marcar, o Brasil não conseguiu voltar à vantagem e a partida foi decidida nos pênaltis. Já na primeira cobrança dos chilenos, o goleiro Julio Cesar prometeu ao capitão Thiago Silva que defenderia. E a promessa foi cumprida. O camisa 12 defendeu não só o pênalti cobrado por Pinilla, como o que foi batido por Alexis Sánchez. O chute de Jara bateu na trave e o Brasil se classificou após as cobranças convertidas de David Luiz, Marcelo e Neymar. Willian e Hulk desperdiçaram.

Comandado por Felipão, o time brasileiro que entrou a campo na partida era formado por Júlio César; Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Fernandinho e Oscar; Hulk, Neymar e Fred.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.