OLIVIER CHASSIGNOLE / AFP
OLIVIER CHASSIGNOLE / AFP

John Textor fala pela primeira vez sobre compra do Lyon, cita Botafogo e cutuca PSG

Dono da SAF do time carioca concede coletiva sobre a aquisição de 66,5% das ações do clube francês; empresário também tem participação no inglês Crystal Palace e no belga RWD Molenbeek

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2022 | 16h42

O dono da SAF do Botafogo, John Textor, falou pela primeira vez, nesta terça-feira, como acionista majoritário do Lyon, após o anúncio da compra de 66,5% das ações do time francês. O empresário norte-americano mencionou a intenção de criar uma “rede entre clubes” e cutucou o Paris Saint-Germain, rival do novo negócio.

O Lyon é o quarto time em que John Textor passa a ter participação. Além do Botafogo, o empresário também detém parte no Crystal Palace, da Inglaterra, e no RWD Molenbeek, da Bélgica. Em coletiva, ele afirmou que um dos objetivos é “criar uma família” entre os clubes. “Os torcedores no Brasil começaram a se comunicar com os fãs em Londres. Agora eu vejo pessoas com a camisa do Crystal Palace no Estádio Nilton Santos e vejo camisas do Botafogo nos pubs em Londres. Eles se chamam de irmãos. E agora, estão chamando, em menos de 24 horas, o Lyon de irmão mais velho”, comentou.

Da mesma forma que provocou o Flamengo quando comprou o Botafogo, Textor alfinetou o PSG. A crítica foi no sentido de apontar que o rival não prioriza um projeto de desenvolvimento. “Não gosto de projetos como o PSG. Se continuarmos a fazer o que Jean-Michel Aulas (CEO do Lyon) vem fazendo há alguns anos e levarmos entretenimento e tecnologia para isso, poderemos ganhar mais dinheiro do que com um investidor do Catar”.

Ele também argumentou que projetos de combinação de clubes não são fruto “apenas de capital, mas realmente de muito boa tomada de decisão”. “Você vê grandes clubes olhando para pequenos com algum tipo de vantagem estratégica. E eu acho que nossa perspectiva é diferente. Toda comunidade merece o sonho de vencer um campeonato”, completou.

A participação inicial de Textor em 66,5% poderá chegar em 88,55% nos próximos anos, quando Jean-Michel Aulas deverá deixar o clube. Ainda assim, o percentual de início já é maior que o previsto. Ele foi obrigado pelas regras francesas a fazer uma oferta pública a outros acionistas. O planejamento é de cerca de 86 milhões de euros (cerca de R$ 470 milhões) em contratações de jogadores e no desenvolvimento da base.

O Botafogo ainda é o clube com maior participação do empresário, com 90% da SAF. O norte-americano já promoveu mudanças imediatas no clube carioca, em especial, em contratações. Textor também tem sido bastante ativo nas redes sociais e em jogos do time carioca, como quando criticou a arbitragem na última rodada, contra o Internacional. A equipe está na sétima posição do Campeonato Brasileiro, com 18 pontos. No próximo domingo (26), o confronto é com o Fluminense no Nilton Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.