Mário Cruz/EFE
Mário Cruz/EFE

Jorge Jesus coloca crise do Benfica na conta da pandemia e nega saída do clube

Treinador afirma que covid-19 afetou desempenho do time e garante que aposta no poder de recuperação do elenco

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2021 | 15h38

A crise no Benfica com a quarta colocação no Campeonato Português - a pior campanha desde 2008 - tem gerado dor de cabeça no técnico Jorge Jesus. Nesta quarta-feira, o ex-treinador do Flamengo mostrou uma enorme irritação durante a entrevista coletiva para a partida contra o Arsenal, em Atenas, na Grécia, nesta quinta, pela rodada de volta da segunda fase da Liga Europa. Para ele, a má fase é culpa da pandemia do novo coronavírus.

"Vou sempre assumir a minha responsabilidade, mas esta crise não tem nada a ver comigo e nem com os jogadores. Diziam que não corriam e não suavam, mas como é que eles podiam? Eles estavam com uma doença (covid-19) que não conseguimos controlar. Depois do jogo contra o Porto, tivemos mais dez infectados, uma equipe técnica vários dias sem dar o treino. Neste momento os jogadores do Benfica precisam de carinho e não de dúvida", disse Jorge Jesus, deixando claro que não pensa em deixar o clube.

"Não vou sair (do Benfica). Não me sinto responsável (pela fase do time). Nem eu, nem os jogadores, nem o presidente, nem a estrutura. Fomos apanhados. Só eles (jogadores) sabem o que passaram. Uma coisa é ter covid e estar em casa fazendo 'home office', outra coisa é ter covid e ir correr", desabafou o treinador, que contraiu a doença no final do mês passado.

Sobre o duelo contra o Arsenal, Jorge Jesus comentou que tem as melhores expectativas para o jogo na Grécia. Na ida, em Lisboa, na semana passda, houve um empate por 1 a 1.

"As expectativas são as melhores, não só porque confia que tem capacidade para disputar este segundo jogo e garantir a vaga, como há a expectativa de continuar nesta competição. A confiança é total, o respeito pelo adversário também, sabendo o valor desta equipe. Antes do primeiro jogo já acreditávamos que podíamos disputar a eliminatória e é isso que vamos fazer na Grécia, disputar a eliminatória e as expectativas são as melhores, acreditando que podemos passar", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.