Carl de Souza/ AFP
Carl de Souza/ AFP

Jorge Jesus se 'oferece' ao Flamengo e dá prazo para diretoria: 'posso esperar até o dia 20'

Multicampeão pelo time carioca, português passa férias no Rio e revela a jornalista que não recebeu proposta oficial para retornar ao clube; empresário de Paulo Sousa aponta 'falta de vergonha'

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2022 | 12h17
Atualizado 05 de maio de 2022 | 19h24

Desde que Jorge Jesus deixou o Flamengo, em 2020, o torcedor rubro-negro sonha com o retorno do treinador português. O 'Mister', como foi apelidado pela torcida e atletas, pela primeira vez admitiu que tem interesse em regressar ao time da Gávea, treinado atualmente pelo compatriota Paulo Sousa. Jesus ainda deu um prazo para caso a diretoria rubro-negra tenha interesse no negócio. 

"Quero voltar, sim. Mas não depende só de mim. Posso esperar até pelo menos o dia 20. Depois disso, tenho de decidir a minha vida profissional", revelou o treiandor ao colunista Renato Maurício Prado, do Uol

Jorge Jesus também disse que a pandemia da covid-19 foi crucial para ele não seguir no Flamengo mesmo após a renovação de contrato. De acordo com o treinador português, ele ficou "completamente só" durante o isolamento no Brasil e, quando surgiu o convite de comandar o Benfica, aceitou a proposta para poder ficar mais próximo da família. 

Antes do acerto com Paulo Sousa, a diretoria do Flamengo chegou a conversar com Jesus durante as buscas pelo sucessor de Renato Gaúcho, mas o português estava empregado no Benfica na época. Parte da diretoria do Fla esteve em Portugual. Ele contou ainda que não recebeu proposta oficial nem foi questionado se gostaria de voltar ao clube do Rio. Outro empecilho para o acordo no passado foi o pagamento da multa de 10 milhões de euros (R$ 52,8 milhões) para ele ser liberado pelo clube português. O Fla não tinha como bancar. 

A notícia chega em um momento de rusgas entre a torcida do Flamengo e Paulo Sousa, que deixou a seleção da Polônia para assumir o cargo de técnico no time da Gávea. Além das críticas, a equipe rubro-negra não conquistou o Estadual diante do Fluminense apesar de ser favoerita. Na Libertadores, faz boa campanha no Grupo H, com 10 pontos em quatro jogos. 

Jorge Jesus chegou ao Rio na última semana como "turista", como ele próprio disse a repórteres. Desde então, ele foi à Sapucaí acompanhar os desfiles das escolas de samba no carnaval e foi flagrado assistindo ao jogo entre Botafogo e Juventude, no Nilton Santos, pelo Brasileirão. O convite para a partida foi feito por Luís Castro, técnico alvinegro e amigo pessoal de Jesus.

A passagem de Jorge Jesus pelo Flamengo durou cerca de um ano entre 2019 e 2020. Neste período, o time carioca conquitou o Campeonato Brasileiro, a Libertadores, a Supercopa do Brasil e a Recopa Sul-Americana. Depois de ser demitido do Benfica, ele disse ter tudo algumas ofertas de trabalho, mas preferiu esperar o fim da temporada na Europa para retomar sua carreira. 

EMPRESÁRIO DE PAULO SOUSA REAGE

No início da noite desta quinta-feira, o empresário do técnico Paulo Sousa, Hugo Cajuda, respondeu as declarações de Jorge Jesus. Ele aponta falta de vergonha do compatriota ao se oferecer para retornar ao Flamengo, mas disse não estar surpreso ao vê-lo sobrepor o individualismo ao respeito por outros profissionais.

"Sem surpresa assistimos a mais um momento deplorável, de alguém que só estando perturbado e desesperado pode revelar tamanha falta de ética, falta de respeito e falta de profissionalismo. Apesar do seu largo histórico, a referida pessoa consegue subir muitos patamares em mais um episódio vergonhoso", iniciou Hugo Cajuda, que também disse que Jorge Jesus demonstra desrespeito ao Flamengo.

"Esta é a continuidade do 'eu' sempre a sobrepor-se ao 'nós', do uso da pandemia, um tema tão grave, para justificar desastres, como o que aconteceu no Benfica, ou como justificativa para abandonar o Flamengo poucos dias após renovar e num momento delicado para o clube. As explicações e as desculpas deveriam ser dadas aos benfiquistas por terem visto ser gastos 150 milhões de euros para conquistarem zero títulos. A referida pessoa revela total ausência de sentimentos para com a instituição Flamengo, ao contrário do que apregoa, porque a tentativa de desestabilizar um clube 'amigo' desta forma é inaceitável", escreveu o agente.

Em conclusão à sua manifestação, Hugo Cajuda também expressa que a ação de Jorge Jesus com um compatriota é um ataque "à classe dos treinadores, à ética e à dignidade" e relata ter sido procurado por outros profissionais que se solidarizam com Paulo Sousa.

Tudo o que sabemos sobre:
Jorge JesusFlamengoPaulo Sousafutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.