Aris Messinis / AFP
Aris Messinis / AFP

Jorge Jesus rescinde contrato com o Benfica, esnoba Flamengo e vira alvo do Atlético-MG

Treinador deixa o comando da equipe portuguesa após 83 partidas disputadas, com 53 vitórias, 16 empates e 14 derrotas; clube tem partida decisiva na Liga dos Campeões em fevereiro pelas oitavas contra o Ajax

Redação, Estadão Coneúdo

28 de dezembro de 2021 | 11h52

Jorge Jesus não é mais técnico do Benfica. Em reunião realizada nesta terça-feira, a diretoria do clube e o treinador português, em comum acordo, decidiram rescindir o vínculo entre as partes um ano e quatro meses depois que o profissional voltou ao posto em 2020. O término do contrato estava previsto para junho de 2022, após a temporada na Europa. Ele era alvo do Flamengo, que, porém, acertou com Paulo Sousa. Com isso, o "Mister" passou a despertar o interesse do Atlético-MG, sem comandante após a saída de Cuca.

"O Sport Lisboa e Benfica informa que, de comum acordo entre as partes, Jorge Jesus já não é treinador do clube. A Sport Lisboa e Benfica SAD agradece a Jorge Jesus todo o trabalho desenvolvido ao longo do último ano e meio e deseja-lhe as maiores felicidades para o futuro", informou o clube em nota oficial. Nélson Veríssimo, que dirigia a equipe B, vai assumir as funções de treinador do time principal do Benfica até o fim da temporada. Em fevereiro, o time joga as oitavas da Liga dos Campeões contra o Ajax.

A demissão vem como efeito da turbulência que tomou conta do clube de Lisboa nos últimos dias, após derrota para o Porto na Taça de Portugal. Jorge Jesus, que já não vinha agradando aos torcedores por conta de maus resultados do time, desagradou também a diretoria na semana passada quando resolveu se sentar com dirigentes do Flamengo para negociar um possível retorno ao Brasil. Tanto Benfica quanto o técnico haviam afirmado que o desejo de ambas as partes era pela continuidade do treinador no comando da equipe. Jorge Jesus disse "não" ao Flamengo e encerrou a possibilidade de voltar para a Gávea. 

O cenário, porém, voltou a ficar incerto na quinta-feira, quando o Benfica foi dominado no clássico com o Porto, perdeu para o rival por 3 a 0 e foi eliminado da Taça de Portugal. Jorge Jesus estava suspenso e não comandou a equipe na beira do gramado. Dirigentes do Flamengo chegaram a ir para o estádio acompanhar a partida.

Nesta segunda-feira, um desentendimento com o treinador fez os jogadores do Benfica se recusarem a treinar. Segundo a imprensa portuguesa, Jorge Jesus afastou Pizzi, um dos capitães da equipe, e o colocou para treinar separado do restante do elenco. Os outros jogadores não concordaram, saíram em defesa do colega e, em forma de protesto, afirmaram que não iriam trabalhar. Jorge Jesus voltou atrás da decisão e reincorporou Pizzi. 

No fim, Jesus não vai mais dirigir o Benfica nem retornará ao Flamengo, uma vez que o clube carioca acertou com outro português, Paulo Sousa, que deixará a seleção polonesa para se mudar ao Brasil. Com isso, Jesus passa a ser alvo do Atlético-MG. O atual campeão brasileiro e da Copa do Brasil está sem treinador. Cuca alegou problemas familiares e decidiu sair do time mineiro, que lamentou a decisão "irreparável" do treinador.

Jorge Jesus, que já treinou o Benfica entre 2009 e 2015, deixa a equipe de Portugal após sua segunda passagem com 53 vitórias, 16 empates e 14 derrotas em 83 partidas disputadas. O Benfica ocupa a 3ª colocação do Campeonato Português e está nas oitavas de final da Liga dos Campeões. A quipe portuguesa enfrenta o Ajax, da Holanda, em jogos de ida e volta. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.