Jorge Porci/Vasco
Jorge Porci/Vasco

Jorge Salgado assume a presidência do Vasco e prevê 'recuperação' em até seis anos

Cerimônia de posse do dirigente eleito em novembro foi nesta segunda-feira na Sede Náutica da Lagoa

Redação, Estadão Conteúdo

25 de janeiro de 2021 | 21h12

Em seu primeiro discurso como presidente do Vasco, Jorge Salgado revelou que prevê a recuperação do clube no período de três a seis anos. A cerimônia foi nesta segunda-feira na Sede Náutica da Lagoa. O dirigente, eleito em 14 de novembro, foi empossado no cargo na sexta-feira, após permissão do Conselho Deliberativo do clube.

Houve tentativa de suspensão da cerimônia por parte de apoiadores de Leven Siano, que entraram com uma petição de manifestação, mas o desembargador Camilo Rullieri ratificou a decisão proferida em plantão na última sexta-feira, dando permissão para que a posse acontecesse.

"O caminho até chegar a isso é árduo e difícil, e você não faz isso sozinho. Procurei trazer para minha equipe o que há de melhor de profissionais nas suas áreas. Apesar das imensas dificuldades que o clube atravessa, eu sou bastante otimista olhando para frente. A gente tem uma possibilidade gigantesca de recuperar esse terreno perdido em pouco tempo, de três a seis anos a gente recupera todo esse atraso de 20 anos", afirmou Salgado, que vai substituir Alexandre Campello.

"Aceitei o desafio de recolocar o Vasco como potência futebolística, deixar de ser mero coadjuvante para voltar a ser protagonista novamente", disse o presidente. "Estou um pouco emocionado. Isso começou há muito tempo, em 1977, quando me tornei sócio do Vasco. Naquela altura, eu era um simples torcedor, mas fui estimulado por um amigo. Assim eu comecei minha vida de vascaíno. Depois disso, tive experiência como dirigente no Vasco. Me afastei um pouco, voltei, me afastei, perdi uma eleição polêmica em 1997. Durante o ano passado fiz uma reflexão se eu deveria ser candidato ou não porque mexia comigo o fato de que o Vasco passava por um processo de decadência muito perceptível. Aquilo me incomodava muito."

Responsabilidade fiscal foi um dos pontos dados como prioridades da sua gestão. "O que a gente promete daqui para frente é um Vasco diferente, com mais responsabilidade social, fiscal. Nada será feito que a gente não pode pagar no futuro. Tudo será feito dentro do nosso orçamento, vamos seguir isso à risca."

Roberto Duque Estrada, VP Geral do Vasco, aproveitou a fazer críticas a pessoas que dirigiram o clube anteriormente. "Fez-se a luz! Sumam do clube, criaturas do pântano que há anos são responsáveis pela decadência do clube."

Tudo o que sabemos sobre:
VascoJorge Salgadofutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.