Divulgação
Divulgação

Jorginho lamenta queda do Vasco: 'Como perder alguém da família'

Clube cruz-maltino não resistiu ao péssimo início de torneio

Estadão Conteúdo

06 de dezembro de 2015 | 20h57

O técnico Jorginho chorou durante a entrevista coletiva neste domingo, em Curitiba, após o empate sem gols com o Coritiba, ao comentar o rebaixamento do Vasco para a Série B do Campeonato Brasileiro, o terceiro em oito anos. Apesar de o time ter melhorado o aproveitamento desde a sua chegada, o treinador não conseguiu evitar a queda e exagerou no sentimentalismo.

"O sentimento é como se a gente tivesse perdido alguém da família. É uma dor muito grande. Queria pedir desculpas ao nosso torcedor, que nos apoiou em todos os momentos. Se existe algo que foi positivo, além da entrega dos jogadores, foi acreditar no trabalho que viemos a desenvolver a partir do jogo do segundo turno. Fica a tristeza de não conseguir objetivo maior, mas a vida continua. Infelizmente, não foi suficiente para que fugir do rebaixamento", disse o treinador.

Jorginho não conteve as lágrimas ao fazer uma retrospectiva dos quatro meses de clube. Revelou ter passado diversas noites sem dormir na preocupação de encontrar a melhor maneira de escalar a equipe. "Entreguei minha vida. Tudo que eu tinha de conhecimento no futebol, tudo que eu acumulei de experiência nos clubes que passei, como atleta e como jogador. Não faria nada diferente, demos nosso melhor, os jogadores fizeram o melhor", lamentou.

Além de ter que vencer o Coritiba, o Vasco chegou na última rodada do Brasileirão dependendo de tropeços do Avaí e do Figueirense para se livrar do rebaixamento. Mas como o Figueirense venceu o Fluminense por 1 a 0, não adiantava nem vencer o time paranaense. Mesmo assim, Jorginho reclamou de um pênalti não marcado em Nenê durante o empate sem gols no estádio Couto Pereira.

"Não foi a principal coisa, mas foi pênalti. O Wilson, que jogou comigo, disse que foi pênalti. O que é a tristeza. Não tenha dúvida que merecia algo diferente. Por hombridade. Essa torcida apaixonada que não alcançou o objetivo que tanto merecia", disse o treinador.

Com o empate na última rodada, o Vasco terminou o Brasileirão na antepenúltima colocação com 41 pontos em 38 rodadas disputadas. É a terceira queda em oito anos e demonstra que o clube precisa fazer um trabalho de reestruturação dentro e fora de campo para voltar à elite do futebol nacional. Choro e sentimentalismo é pouco para um clube centenário e com títulos internacional como o time cruzmaltino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.