Jorginho valoriza vantagem do Vasco na Copa do Brasil: 'É difícil jogar aqui'

O Vasco não conseguiu eliminar o jogo de volta ao vencer o Remo por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, na sua estreia na Copa do Brasil. O técnico Jorginho, porém, exaltou a vantagem conquistada pela equipe carioca no confronto de ida do mata-mata e lembrou que não é fácil atuar no Mangueirão, em Belém, contra o tradicional time paraense. O treinador ainda foi além ao dizer que os vascaínos não podem achar que estão em situação confortável para o duelo de volta, marcado para o dia 27, em São Januário.

Estadão Conteúdo

14 de abril de 2016 | 10h25

"A gente sabe o quanto é difícil jogar aqui (no Mangueirão), o campo sempre muito pesado, o estado do gramado não é sempre o ideal. O jogo está aberto no Rio. Placar de 1 a 0 é perigoso. Conheço o Marcelo (Veiga) e é um excelente treinador. O ataque deles é perigosíssimo", ressaltou o comandante vascaíno, em entrevista coletiva.

O Vasco só conseguiu garantir a sua vitória sobre o Remo no final do segundo tempo, com um gol marcado por Thalles, e Jorginho enfatizou: "Não pensávamos que seria tão diferente disso. Para ganhar do Remo aqui tem que sofrer".

"No primeiro tempo, eles fizeram muitas faltas por trás e dificultaram. No segundo, a equipe fez aquilo que nós esperávamos. Nosso time vinha numa situação em que não estávamos jogando tão bem. Conseguimos movimentar a bola, trabalhar com eficiência, chegar no ataque e construir essa virada de jogo. Foi importante, fizemos um gol na casa do adversário e saímos vitoriosos", completou o treinador.

Já ao comentar a atuação de Thalles, que entrou na etapa final no lugar de Riascos e decidiu a partida, Jorginho destacou que o "Vasco recuperou um grande atacante". No ano passado, o comandante chegou a reclamar de falta de comprometimento do atacante, mas agora exalta a boa fase do jogador. "O Thalles hoje é um atleta. Há uma grande satisfação da minha parte por ver isso, da comissão técnica também", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.