Reprodução
Reprodução

Jornal alemão reedita manchete do 7 a 1 para destacar queda de sua seleção

Veículo utiliza foto de Toni Kroos cabisbaixo para ilustrar eliminação; há quatro anos, meia foi retratado comemorando sonora goleada com Khedira

Estadão Conteúdo

28 Junho 2018 | 05h30

A eliminação da Alemanha na primeira fase da Copa do Mundo da Rússia fez o jornal alemão "Bild" reeditar a manchete do dia do 7 a 1 em cima do Brasil, em 2014. Nas páginas do diário estampou: "Sem palavras". A diferença estava na foto.

+ Com desgaste muscular, William Carvalho é poupado de treino da seleção portuguesa

+ Vitória argentina evidencia que Sampaoli se tornou figura decorativa

+ Panamá mira 1ª vitória e Tunísia almeja quebrar tabu de 40 anos

Há quatro anos, Toni Kroos comemorava com Khedira no estádio do Mineirão em duelo que os alemães atuaram de rubro-negro. Após a derrota por 2 a 0 contra a Coreia do Sul, em Kazan, Kroos aparece cabisbaixo de camisas verdes.

"Não fomos eliminados por falta de sorte, mas com justiça. Uma equipe que perde para México e Coreia do Sul é porque não jogou bem. É o fim de uma era. O treinador deve se perguntar criticamente se está disposto a aprender com seus erros na Rússia para realizar uma renovação radical", informou o "Bild".

Em três das últimas quatro Copas do Mundo, a seleção que defendia o título voltou para casa antes mesmo de a segunda fase começar. Campeã em 2014, a Alemanha engrossou a lista de fracassos e se juntou à França, que caiu na primeira fase em 2002, à Itália (2010) e à Espanha (2014).

 

De uma maneira geral, a imprensa alemã seguiu o discurso do "Bild" e considerou a eliminação justa na fase de grupos. Todos colocaram em xeque a permanência do técnico Joachim Löw, que está no cargo desde 2006.

"Depois desse fiasco há que ser questionado tudo, inclusive o Löw", escreveu a revista "Kicker". A publicação diz ainda não ser uma surpresa a queda na primeira fase devido ao fraco futebol apresentado no último ano.

"A geração de Manuel Neuer, Jerome Boateng, Sami Khedira e Mesut Özil ganhou a Eurocopa sub 21 em 2009 e, reforçado por Toni Kroos e Thomas Müller, foi com justiça campeã do mundo de 2014. Agora terminou esse ciclo. É preciso uma clara renovação e é pouco provável que Löw seja a pessoa indicada para fazer isso."

O diário "Süddeutsche Zeitung" disse que a eliminação entra para a lista de momentos vergonhosos da seleção alemã. "Córdoba, Gijón e Kazan", escreveu em sua manchete citando o palco de três grandes derrotas da equipe.

Em 1978, a Alemanha foi derrotada pela Áustria por 3 a 2 em Córdoba. E em 1982, novamente com a Áustria, perdeu por 1 a 0 no duelo que ficou conhecido como a "partida da vergonha". As seleções fizeram um pacto, pois o placar da partida garantiria ambas na próxima fase e eliminaria a Argélia.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.