Edu Bayer/EFE
Edu Bayer/EFE

Jornal francês crava: Neymar vai para o PSG; salário seria de R$ 110 mi por ano

Brasileiro seria negociado por R$ 810 milhões, se tornando o jogador mais caro da história

O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2017 | 11h34

As especulações sobre a transferência de Neymar para o Paris Saint-Germain ganham cada vez mais força. Desta vez, o jornal francês Le Parisien, um dos maiores do país, garante que o astro brasileiro já até avisou a seus companheiros de Barcelona que sairá nesta janela de transferências.

"Neymar disse sim ao PSG", diz a capa do periódico, que ressalta que o que ainda falta ser definido é apenas a forma de pagamento da multa rescisória, de 222 milhões de euros (R$ 810 milhões), que o brasileiro possui com o clube espanhol. Está sendo estudada alguma forma dos franceses não serem punidos com o Fair Play Financeiro, estabelecido pela Uefa, para que um clube não gaste muito a mais do que arrecada. Se confirmada, a transferência será, de longe, a mais alta da história do futebol.

Segundo a ESPN, Neymar e  seu pai mantiveram contato com os donos do clube e o diretor-esportivo Antero Henrique nos últimos dias, acertando um contrato de quatro anos, com ganhos de aproximadamente 30 milhões de euros (R$ 109,5 mi) a cada temporada. Além disso, o craque ainda receberia luvas e uma parte dos lucros em alguns empreendimentos comerciais da Oryx Qatar Sports Investments em Paris.

Na Espanha, os veículos de comunicação ainda não descartam a permanência do atacante em Barcelona. Segundo a rádio catalã Rac 1, os companheiros de Neymar estão tentando convencê-lo a continuar no Barça, e o brasileiro teria ficado dividido após conversas com os colegas.

O presidente do clube espanhol, Josep Maria Bartomeu, falou sobre os rumores envolvendo uma possível transferência do atleta neste sábado, à rádio espanhola Cadena Ser. "Sempre falamos que estamos tranquilos com relação ao Neymar", afirmou durante evento nos Estados Unidos, onde o Barcelona faz pré-temporada. Bartomeu já havia se manifestado sobre a possibilidade de perder o craque na última quinta-feira, quando disse que a multa rescisória do jogador não poderia ser paga sem infringir as normas do Fair Play Financeiro.

* Notícia atualizada às 19h52.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.