Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

Morre o jornalista Orlando Duarte, aos 88 anos, vítima da covid-19

Experiente comentarista esportivo, ele sofria de mal de Alzheimer, pegou coronavírus e morreu na manhã desta terça-feira

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2020 | 11h03
Atualizado 15 de dezembro de 2020 | 21h12

Morreu na manhã desta terça-feira, aos 88 anos, o jornalista esportivo Orlando Duarte, vítima do novo coronavírus. O comentarista, que cobriu 14 Copas do Mundo e dez Olimpíadas, estava hospitalizado há cerca de três semanas em São Paulo. Orlando foi diagnosticado com mal de Alzheimer, em 2019. Ele estava afastado da profissão desde 2012 em decorrência de problemas de saúde.

Conhecido pela alcunha de "o Eclético", Orlando trabalhou em diversos veículos de comunicação no Brasil. No jornalismo impresso, ele integrou as redações dos jornais O Tempo, Gazeta Esportiva, A Gazeta, Mundo Esportivo, A Gazeta Esportiva Ilustrada, Última Hora e Diário da Noite. Também passou pelas rádios Bandeirantes, Jovem Pan, Gazeta e Trianon. Na TV, Duarte vestiu as camisas da Globo, Bandeirantes, Gazeta, SBT, Jovem Pan e Cultura.

Orlando Duarte escreveu 34 livros. Dentre os inúmeros de esporte, assunto que o acompanhou durante a vida, destacam-se romances como "O Homem que Volta" e "Os Desesperados". Em 2019, foi diagnosticado com mal de Alzheimer. Na ocasião, sua mulher, Conceição Duarte, foi quem revelou o estado de saúde de jornalista através das redes sociais. 

"De dois anos para cá, depois da queda que o levou à fratura do fêmur, Orlando trouxe muitas outras coisas da saúde, que estavam em um cantinho qualquer no seu organismo esperando a oportunidade certa para aparecer e se manifestar. Até que recentemente, foi dado o diagnóstico de Alzheimer. Vivendo com ele, percebia determinadas falhas, mas quando se está no meio do furacão, nem sempre enxergamos tudo", escreveu sua mulher no Facebook.

Orlando teve quatro filhos e seus netos. Ele foi um dos narradores do documentário Pelé Eterno, que conta a história do Rei do Futebol, um amigo e de quem se aproximou quando Pelé ainda era jogador. O jornalista também participou do Fifa Fever, DVD em comemoração aos 100 anos da entidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.