Roberto Castro/Estadão
Roberto Castro/Estadão

Morre o jornalista Roberto Avallone aos 74 anos em São Paulo

Vítima de ataque cardíaco, Avallone trabalhou no Jornal da Tarde e construiu carreira de mais de 50 anos na imprensa esportiva

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2019 | 10h17

O jornalista Roberto Avallone, de 74 anos, morreu na manhã desta segunda-feira em São Paulo. A informação foi confirmada à reportagem do Estado pelo Hospital Santa Catarina. Após uma carreira de mais de 50 anos na imprensa esportiva, Avallone morreu por volta das 9h da manhã vítima de uma parada cardíaca.

Torcedor do Palmeiras, o jornalista ficou marcado pelo bordão em que costumava pronunciar a pontuação contida na frase. Ao elogiar um belo gol, por exemplo, Avallone dizia: "Que lance bonito, exclamação". Já para questionar sobre um determinado tema, ele comentava: "O que será agora da seleção brasileira, interrogação?". Fez história na imprensa escrita e televisiva.

Em seus primeiros anos de carreira como jornalista, Roberto Avallone esteve à frente da editoria de Esporte do Jornal da Tarde, do Grupo Estado. Sempre foi um repórter esportivo. Em 1966, ele trabalhou no Última Hora antes de fazer parte da equipe do recém-criado JT, onde ficou por 23 anos, sendo 12 deles como chefe de reportagem do Esportes. Avallone nunca escondeu sua preferência pelo Palmeiras. 

No jornalismo, ele tem dois Prêmios Esso, o Oscar da categoria, por organizar a cobertura do Jornal da Tarde nas Copa do Mundo de 1978, na Argentina, e em 1986, no México. Avallone sempre primou por histórias sensíveis e furos. Sabia motivar seu time e tinha enorme paixão pelo JT. Mesmo na TV, ele sempre falou do jornal.

Na década de 1980, Avallone migrou para a televisão, mais especificamente para a TV Gazeta. O estilo irreverente e a voz forte serviram para comandar o programa Mesa Redonda. O sucesso da atração abriu portas para o jornalista em outras emissoras, como na Bandeirantes e Rede TV!, assim como participou de rádios como Eldorado, Jovem Pan, Rádio Globo, Rádio Bandeirantes, Rádio Capital, Rádio Record e na BandNews FM. Era um homem da comunicação.

Ao Estado, o técnico Vanderlei Luxemburgo lamentou o falecimento de Avallone. "O futebol brasileiro, o esporte brasileiro, perdeu um grande fã, um grande admirador. E a imprensa perdeu um grande jornalista, um dos melhores. Era fantástica a coluna que ele tinha no JT", disse. "Eu agradeço a ele por ter me rotulado, no bom sentido, como Luxemburgo, vírgula, o estrategista. Isso ficou marcado na minha carreira. Carrego isso com muito carinho", afirmou.  

Nos últimos anos, o jornalista se dedicou a comentários no SporTV, assim como a manutenção de um blog, hospedado no UOL. Curiosamente, o último texto foi publicado nesta segunda-feira, algumas horas antes de ter a morte confirmada. Avallone escreveu no conteúdo sobre a importância dos clubes terem também um treinador específico para os atacantes.

Mais conteúdo sobre:
futebolRoberto Avalloneimprensa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.