Fernando Dantas/Gazeta Press
Fernando Dantas/Gazeta Press

José Carlos Peres supera Modesto e ganha eleição presidencial do Santos

Candidato de oposição bate o atual mandatário do clube em pleito marcado por suspeitas

Estadão Conteúdo

10 de dezembro de 2017 | 00h22

Em uma eleição marcada por polêmicas, José Carlos Peres foi eleito neste sábado como novo presidente do Santos. Apoiada pela grande votação em São Paulo e também pelo apoio consistente recebido na Baixada, o economista, de 69 anos, superou Modesto Roma Júnior, o atual mandatário, e outros dois adversários para ser eleito com 1.851 votos para comandar o clube no triênio de 2018 a 2020.

+ Eleição do Santos tem polêmica sobre urna para novos sócios e troca de acusações

José Carlos Peres já havia sido o principal rival de Modesto na eleição de três anos atrás, definida por uma diferença de menos de 200 votos. Agora, porém, ele superou o atual presidente, que terminou a votação empatado em segundo lugar com Andres Rueda, ambos com 1.661. Nabil Khaznadar foi o quarto colocado, com apenas 495 votos.

Em São Paulo, Peres, da chapa "Somos Todos Santos", teve quase 50% dos votos - 715 do total de 1.449 -, enquanto Modesto se complicou exatamente na capital, onde recebeu apoio de apenas 12,49% dos eleitores - 181, o que acabou sendo determinante para o resultado final.

"O desafio é unir o Santos para entrarmos em um novo tempo", disse Peres em suas primeiras palavras como novo presidente do clube. "As dívidas de curto prazo preocupam. Espero que o Modesto nos atenda para fazer uma transição honesta", acrescentou.

A principal polêmica e alvo de discórdia entre os adversários durante a eleição envolveu a urna 10 da Vila Belmiro, um dos locais de votação. Ela era utilizada pelos eleitores que se associaram há menos tempo ao clube, o que levantou suspeita da oposição pela movimentação bem superior ao visto nas outras.

A espera dos eleitores para votar nessas urnas superou mais de quatro horas durante vários momentos do dia. E isso provocou um grande atraso, de cerca de três horas, na conclusão da eleição, que estava prevista para as 18 horas, provocando protestos dos opositores de Modesto, que ameaçaram levar a eleição para a Justiça.

O resultado da urna 10 da Vila Belmiro acabou sendo bem diferente ao da eleição, com 290 dos 340 votos sendo depositados para Modesto. Não foi, porém, suficiente para evitar a sua derrota e a vitória de Peres.

Em São Paulo, na sede da Federação Paulista de Futebol, palco da votação na capital, também houve polêmica. Chamou a atenção a presença de um grupo de asiáticos que tentava participar da eleição. Opositores a Modesto registram o fato e divulgaram vídeos nas redes sociais. Além disso, o clima conturbado provocou vários desentendimentos durante a eleição, a ponto de Modesto ter discutido com adversários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.