Arquivo/AE - 18/6/2009
Arquivo/AE - 18/6/2009

Joseph Blatter afirma que Copa no Catar é uma dívida com mundo árabe

Presidente da Fifa diz que o futebol se abre para um novo universo com o Mundial de 2022

EFE,

09 de dezembro de 2010 | 13h22

PARIS - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, negou que a atribuição das Copas do Mundo de 2018 e 2022 à Rússia e ao Catar, respectivamente, foi decidida por fatores econômicos e afirmou que no segundo caso representará "a abertura do futebol a um novo mundo", o árabe.

Veja também:

linkBlatter nega corrupção na Fifa e critica Inglaterra

"Com o Catar abrimos o futebol a um novo mundo, a uma nova cultura. O mundo árabe, que havia tentado várias vezes [sediar uma Copa], com o Marrocos e o Egito, por exemplo, podia legitimamente ser escolhido por esta organização", afirmou Blatter em entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal francês L'Équipe.

O presidente da Fifa acrescentou que "o Islã representa 1 milhão de pessoas" e abriu a possibilidade para que algumas partidas do Mundial do Catar "sejam realizadas em países próximos".

Blatter assegurou que o emirado é "um pequeno país que vem se desenvolvendo" e lembrou que já organizou o Campeonato Mundial Sub-20 de 1995, quando a Nigéria não pôde fazê-lo no último instante, e que tem 12 anos pela frente para se preparar para a competição.

Com relação à Rússia, que abrigará a Copa do Mundo de 2018, o presidente da Fifa destacou que "é um continente em si próprio com todos os seus satélites" e isso constitui "uma imensa população ao mesmo tempo europeia e asiática".

Blatter considerou "uma loucura" pensar que a escolha da sede desses dois Mundiais esteja vinculada a interesses econômicos e afirmou que se tivesse sido por dinheiro, o candidato vencedor teria sido os Estados Unidos.

Quanto à Copa de 2026, Blatter declarou que ainda falta muito tempo, mas destacou que "há dois mercados, nos campos do futebol e da economia, que se desenvolvem: China e Índia, que representam dois terços da população mundial".

O presidente da Fifa se defendeu das denúncias de casos de corrupção na organização garantindo que estão sendo investigados e que, caso sejam provados, não são mais do que "o reflexo de um fenômeno de sociedade".

Dupla eleição. Apesar de classificar as escolhas de Rússia e Catar como corretas, Blatter deixou claro que não quer mais uma dupla eleição para escolher sedes de Copas do Mundo. "Não faria outra vez. Não faz sentido uma dupla eleição."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.