Ennio Leanza/AP
Ennio Leanza/AP

Joseph Blatter e Michel Platini são acusados de fraude pela Justiça suíça

Ex-presidente da Fifa fez um pagamento ilícito de € 1,8 milhão (aproximadamente R$ 11,84 milhões) ao ex-jogador francês em 2011

Redação, Estadão Conteúdo

02 de novembro de 2021 | 14h46

O suíço Joseph Blatter e o francês Michel Platini, ex-presidentes da Fifa e da Uefa, respectivamente, foram formalmente acusados pelo Ministério Público da Suíça por fraude, entre outros crimes, por um pagamento ilícito de € 1,8 milhão (aproximadamente R$ 11,84 milhões) em 2011.

Os ex-dirigentes foram afastados de todas as atividades relacionadas ao futebol por seis e por quatro anos, precisamente, pelas suspeitas de corrupção que recaíram sobre eles desde 2015. Agora, aguardam pela decisão do Tribunal Federal de Bellinzona sobre a validação dos indícios e um consequente julgamento.

Blatter, de 85 anos, presidiu a Fifa entre 1998 e 2015, enquanto o francês Platini esteve no comando da Uefa entre 2007 e 2016. Na investigação, são suspeitos de terem combinado o pagamento ilícito por parte da Fifa ao então dirigente máximo da Uefa.

Platini teria recebido a quantia em 2011, alegando serviços prestados como conselheiro de Blatter entre 1998 e 2002. Ambos justificaram o pagamento tão diluído no tempo como fato de as finanças da Fifa, na altura, não permitirem remunerações tão elevadas como as acordadas entre Blatter e Platini.

"As provas recolhidas pela Procuradoria-Geral da República corroboram que este pagamento à Platini foi efetuado sem base legal. Este pagamento danificou ativos da Fifa e enriqueceu Platini ilegalmente. Na opinião do procurador-geral, os réus cometeram os crimes listados acima", informou o Ministério Público da Suíça.

Michel Platini era o nome mais forte para suceder Blatter na direção da Fifa. Eles ainda estão sob acusações de "gestão danosa, abuso de confiança e falsificação de documentos." De acordo com a legislação suíça, a fraude simples tem uma moldura penal de até cinco anos de prisão ou uma punição pecuniária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.