Josué e Mineiro fazem a dupla perfeita

Os torcedores do São Paulo se dividem na hora de escolher a melhor contração desde o início de o início de 2004, quando o elenco foi drasticamente renovado. Muitos falam em Cicinho e Amoroso, há quem prefira Danilo e muita gente opta por ?Mineirojosué?. Outros, preferem falar ?Josuémineiro?. O entendimento em campo é tão grande, o futebol tão parecido, que, Mineiro e Josué perderam um pouco da individualidade. Ganharam status de uma entidade única, como se não houvesse um sem o outro. Desde que chegaram no início de 2005 para substituir Renan e Ale, a dupla de adolescentes que apressou a aposentadoria de César Sampaio, eles tomaram conta do meio-de-campo.A cor da pele é a diferença gritante entre os dois. Têm a mesma altura, baixinhos de 1,69m e Mineiro tem três quilos a mais do que Josué. Pesa 66. Estrearam juntos, em 20 de janeiro, contra o Ituano, na abertura do Campeonato Paulista, quando o São Paulo venceu por 4 a 2. Desde então, Josué participou de 58 jogos, enquanto Mineiro jogou 62 vezes. Gols? Cinco para cada um. Josué é mais brincalhão. Há três dias, deu uma de barbeiro e cortou o cabelo de Cicinho, que, aliás, ficou horrível. Mineiro é muito tímido. Quase não fala. Quando fala, quase não se ouve. Carlos Luciano da Silva, o Mineiro, tem 30 anos e Josué Anunciado de Oliveira, 26. Chegaram a um grande clube, já com experiência. Antes do São Paulo, Josué jogou dois anos no Porto de Caruaru e nove no Goiás.Mineiro, que é gaúcho, andou por Rio Branco, Guarani, Ponte Preta e São Caetano. Chegou à Seleção em 2000, com Leão, na Copa das Confederações.Josué foi convocado por Parreira para o amistoso de despedida de Romário, contra a Guatemala, em 27 de abril. Não jogou.O entendimento entre Josué e Mineiro contraria uma velha máxima do futebol, que prega a diferença de estilo entre jogadores que atuam no mesmo setor, como melhor receita para se conseguir o equilíbrio necessário. Um meia deve ser lançador e o outro conduzir a bola em profundidade. Um volante deve ser pegador, duro, e o outro deve saber conduzir a bola, fazendo a transição entre os setores.?Realmente, eu acho que nosso futebol é muito parecido. Temos qualidades, mas também falta alguma coisa para a gente, de todo modo dá para ajudar o São Paulo?, diz Mineiro. ?Também, não dá para ser completo. Ninguém é. Também não ligo por falarem o nosso nome sempre junto, parecendo um só. O bom é que a gente joga junto e, se um cresce, o outro também. O sucesso de um é o de outro?, diz Josué.Para Paulo Autuori, há uma explicação simples para o fato de jogadores semelhantes terem conseguido tanto equilíbrio. ?Os dois saem desarmar e os dois sabem sair para o jogo. Temos em dobro o necessário. Por isso, funciona tão bem o nosso meio-de-campo.? Josué considera que o estilo de ambos é fundamental para o jogador moderno. ?Não dá mais para ser um volante como o do tempo antigo, que só sabe bater. Hoje, em dia tem de saber jogar também. Isso ajuda muito o time.? Carlinhos Neves, preparador físico, diz que o biotipo dos dois jogadores é muito parecido, o que justifica o futebol parecido. ?São jogadores de mais resistência do que velocidade, capazes de atuar em um ritmo intenso durante os 90 minutos da partida. Por isso, estão sempre em todos os setores do campo.? Capazes de atuar em vários setores, Mineiro e Josué são imprescindíveis, por diferentes motivos, para os companheiros. ?Com eles em campo, eu sei que a bola vai chegar até nós, do ataque?, diz Amoroso. ?Quando eles jogam, eu fico tranqüilo na defesa. Sei que são um obstáculo muito grande para os atacantes adversários. Eles ajudam muito.? Rogério Ceni também elogia muito a dupla de volantes. ?Sempre falei que a chegada deles foi muito importante para o nosso time.Acrescentou muita coisa ao nosso rendimento.? São parecidos também no estilo cuidadoso de ver os adversários. ?Nem quero falar do Liverpool, antes temos de vencer os árabes que são muito bons?, diz Mineiro. ?A gente não é favorito de jeito nenhum. Tem muito time bom aqui nesse Mundial?, completa Josué. Que não sejam tão cuidadosos em campo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.