Rodolfo Buhrer/Reuters
Rodolfo Buhrer/Reuters

Jovem, estudioso e carreira meteórica: como Tiago Nunes revolucionou o Athletico-PR

Campeão da Sul-Americana do ano passado, treinador agora pode levar time ao título inédito da Copa do Brasil

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2019 | 10h58

O Athletico-PR chega pela segunda vez na história à final da Copa do Brasil para coroar o trabalho de um treinador jovem e até pouco tempo ainda desconhecido do cenário nacional. Aos 39 anos, Tiago Nunes assumiu o cargo há pouco mais de um ano e comanda um dos ciclos mais vitoriosos da equipe, ao ter conquistado em 2018 a Copa Sul-Americana e estar agora bem perto de alcançar outro título inédito.

O Furacão desfruta atualmente de uma fase extremamente positiva, comparável inclusive ao período vivido no início deste século. O clube campeão brasileiro de 2001 foi vice da mesma competição em 2004 e finalista da Copa Libertadores em 2005 ao montar elencos competitivos e apostar na força da Arena da Baixada, o primeiro estádio do Brasil a adotar o naming rights. Junto com isso, revelou jogadores como Kléberson, Fernandinho, Dagoberto e Jadson.

Na mesma época, o jovem Tiago Nunes estava a quilômetros de distância de Curitiba, pois morava ainda na cidade natal, Santa Maria (RS). Em 2003, ele concluiu a graduação em Educação Física focado em trabalhar no futebol. A primeira oportunidade veio no Inter de Santa Maria, como preparador físico. A carreira começou a decolar em 2005, justamente no ano em que o Athletico-PR foi vice da Libertadores.

Nunes teve o primeiro trabalho de treinador no São Luiz, da cidade de Ijuí. A equipe conquistou a Divisão de Acesso do Gaúcho ao mesmo tempo em que ele continuou a se aprofundar nos estudos, com especializações e cursos. O técnico teve nos anos seguintes trabalhos em times do interior do Rio Grande do Sul, com demonstrações de conhecimento tático e estilo metódico.

Um dos trabalhos mais relevantes foi em 2017, no comando do Veranópolis. A equipe se destacou na primeira fase do Campeonato Gaúcho, mas foi eliminada na fase decisiva pelo Grêmio. Nunes havia trabalhado anos antes na base do clube tricolor e como reconhecimento pelo resultado no Estadual, recebeu uma proposta para voltar a atuar no sub-20 do time. Porém nessa mesma época o Athletico-PR apareceu como opção, também para comandar a base.  

A oportunidade de decidir entre Athletico-PR e o Grêmio curiosamente reuniu os dois times semifinalistas da Copa do Brasil, na última quarta-feira. Assim como em 2017, Nunes ficou do lado do clube rubro-negro. O treinador assinou contrato com o time curitibano depois de passar por um processo seletivo. Ao chegar ao cargo, demonstrou confiança na vinda de resultados. "Certamente o clube consegue diminuir os espaços entre as transições das categorias e consegue ter um processo de transição mais padrão. Isso pode ter a médio e longo prazo um diferencial que pode levar o clube a conquistas nacionais e internacionais", disse ao canal de TV do clube na ocasião.

Nunes se consolidou na base atleticana e teve 2018 como uma temporada decisiva na carreira. Como o clube sempre disputa o Campeonato Paranaense com o elenco sub-23, coube ao treinador ganhar o título sobre o rival, Coritiba, no comando de revelações como Bruno Guimarães, Léo Pereira e Renan Lodi. Todos logo depois ganhariam espaço na equipe de cima.

O treinador foi promovido ao cargo de treinador do time profissional depois de Fernando Diniz ser demitido. O Athletico-PR estava na zona de rebaixamento do Brasileiro. Nunes mesclou os garotos da base a nomes experientes como Thiago Heleno e Lucho González, passou confiança ao grupo, organizou a formação e transformou a equipe. O resultado veio. O clube foi campeão da Copa Sul-Americana em dezembro, após bater o Junior Barranquilla, da Colômbia.

A evolução atleticana não parou por aí. O time venceu a Copa Levain, antiga Copa Suruga, fez boa campanha na Copa Libertadores e agora está de volta à final da Copa do Brasil. O clube quase garantiu o título do torneio nacional em 2013, quando perdeu para o Flamengo na decisão. "O clube passa por um momento muito bonito, está crescendo", disse o goleiro Santos.

O treinador é outro personagem de toda essa caminhada. De técnico da base ao posto de comandante mais vitorioso da história rubro-negra, Tiago Nunes uniu o estilo da terra natal, o Rio Grande do Sul, à identificação conquistada com o time paranaense. "Vamos comemorar (a vaga na final). Vamos comer um churrasco bem gaúcho. Feito em uma grelha paranaense", disse nesta quarta-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.