Ruben Sprich/Reuters
Ruben Sprich/Reuters

Juiz dos EUA determina fim do sigilo de acordo com Chuck Blazer

Meios de comunicação pediram a divulgação do acordo de confissão

Ian Ransom, REUTERS

12 de junho de 2015 | 08h36

O juiz norte-americano a cargo dos casos de corrupção envolvendo dirigentes do futebol internacional indiciados pelos Estados Unidos determinou que os procuradores retirem o sigilo do acordo fechado pelo ex-membro do comitê executivo da Fifa Chuck Blazer com o governo do país.

Os meios de comunicação pediram a divulgação do acordo de confissão na semana passada, após o indiciamento de 14 dirigentes e executivos do futebol e da mídia por corrupção, mas autoridades norte-americanas se opuseram à ação. Entre os indiciados está o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, que está preso na Suíça.

"Como o tribunal conclui que o governo não atendeu à necessidade superior de provar que continuar sem divulgar é necessário para impedir probabilidades substanciais de prejuízo ao interesse do governo, as aplicações para divulgação do acordo estão garantidas", disse o juiz distrital norte-americano Raymond J. Dearie, segundo transcrição do tribunal.

Dearie deu prazo para sua ordem até segunda-feira, dando tempo aos procuradores para divulgarem o acordo ou recorrerem da decisão.

Blazer, ex-secretário-geral da Concacaf, órgão responsável pelo futebol nas Américas Central e do Norte e Caribe, se declarou culpado por 10 acusações criminais em Nova York em 2013 como parte de um acordo com procuradores norte-americanos, de acordo com uma transcrição da audiência divulgada na semana passada.

Blazer, de 70 anos, disse a Dearie em 2013 que ele e outras autoridades da Fifa receberam propinas em conexão com as Copas do Mundo de 1998 e 2010, entre outros torneios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.