Alejandro García/EFE
Alejandro García/EFE

Juiz indicia até o Barcelona por fraude no 'caso Neymar'

Atual presidente do clube e antecessor já estão sob investigação

O Estado de S. Paulo

13 Março 2015 | 11h07

O juiz espanhol Pablo Ruiz, da Audiência Nacional de Madri, responsável pela investigação sobre a transferência do atacante Neymar do Santos para o  Barcelona, já concluiu o processo de instrução. Além de manter o processo em Madri, ele indiciou o ex-presidente do clube catalão, Sandro Rosell, o atual mandatário, Josep Maria Bartomeu, e o próprio clube. Os indiciamos terão de prestar depoimentos, em data a ser marcada.

Ruiz considerou que Rosell, Bartomeu e o clube são culpados de três crimes fiscais, num caso em que acusação é de sonegação de 12,1 milhões de euros (cerca de R$ 41 milhões). A novidade em sua atuação foi a inclusão do Barcelona como réu, uma vez que os cartolas já estavam sendo investigados. Agora, o comitê fiscal do órgão tem 10 dias de prazo para justificar a indicação do Barcelona como partícipe da fraude. Depois disso, os réus podem ser levados ao tribunal se o juiz assim entender.

A investigação feita pela Justiça espanhola tem como objetivo esclarecer se a contratação de Neymar foi feita por um valor superior aos 57 milhões de euros (R$ 193,5 milhões) que foram declarados. De acordo com a acusação, o real custo da negociação é estimado em cerca de 83 milhões de euros (R$ 281,8 milhões). Nesse valor, estão contabilizadas o montante pago ao jogador como luvas, as parcerias sociais e de marketing e o acordo de prioridade com o Santos.

Ao não considerar esses itens, o Barcelona deixou de pagar um total de 12,1 milhões de euros, o que faria com que o custo real da contratação de Neymar chegasse a 94,8 milhões de euros (R$ 321,8 milhões). Os cálculos são da agência tributária espanhola.

Bartomeu garante não ter tido participação nas negociações, mas o juiz ressalta o seu papel "tanto na gênese das transações contratuais, que constituem a base factual do processo (recrutamento de Neymar) como no progresso da transferência e, finalmente, na autorização de pagamentos relativos a este recrutamento".

Na conclusão de Ruiz, os diferentes contratos utilizados nesta operação "se destinavam a cobrir ou ocultar o fato de que o custo foi muito mais elevado ao FCB (Barcelona)", a fim de "evitar ou subestimar o pagamento de modo sub-reptício ao Tesouro".

Candidato à reeleição à presidência do Barcelona, Bartomeu pode ter seus planos prejudicados pelo processo.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Neymar Futebol Internacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.