Juíza obriga Thiago Neves a pagar multa integral ao Paraná

Se não pagar R$ 2,3 milhões o jogador deverá, em tese, se reapresentar ao Paraná em janeiro

17 de dezembro de 2007 | 23h00

A juíza Ingrid Castellano Ayres, da 18.ª Vara do Trabalho de Curitiba, deu nesta segunda-feira a sentença do caso envolvendo o meia Thiago Neves. Ela determinou que o jogador tem o direito de romper seu contrato com o Paraná, que vai até fevereiro de 2009, desde que pague o valor total da multa rescisória (R$ 2,3 milhões). Assim, Thiago Neves, que assinou recentemente a renovação com o Fluminense, para quem ele está emprestado até o dia 31 de dezembro, segue com futuro incerto. Se não pagar a multa, o jogador deverá, em tese, se reapresentar ao Paraná em janeiro. Os advogados de Thiago Neves esperavam conseguir a liberação imediata do atleta com o pagamento de R$ 748 mil ao Paraná - referente a 32% da multa rescisória. Mas eles ainda podem recorrer da decisão judicial desta segunda-feira - isso, no entanto, ameaça paralisar a carreira do jogador, um dos destaques do último Campeonato Brasileiro. Interessado no caso, por ter um pré-contrato com Thiago Neves (o jogador se arrependeu depois e acabou assinando com o Fluminense), o Palmeiras saiu derrotado na decisão judicial desta segunda-feira. O despacho da juíza excluiu  da ação o clube paulista, que deverá recorrer em outra esfera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.