Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Julgamento de Marin define futuro de Del Nero, afirmam especialistas

Eventual condenação do ex-presidente da CBF pode influenciar a Fifa a também condenar o atual mandatário da entidade

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2017 | 07h00

Uma eventual condenação dos dirigentes José Maria Marin, Juan Angel Napout e Manuel Burga no julgamento que está sendo realizado em Nova York pode influenciar a Fifa a também condenar Marco Polo del Nero, presidente da CBF, suspenso pelo Comitê de Ética da entidade por 90 dias na sexta-feira. Especialistas ouvidos pelo Estado apontam que os dois casos estão interligados.

Processo da Fifa contra Del Nero tem mais de 1,3 mil páginas

“O julgamento a que estão sendo submetidos Marin, Naput e Burga nos EUA e as provas que foram ali apresentadas nas últimas semanas tiveram impacto decisivo na suspensão de Del Nero. Uma condenação dessas três pessoas no processo americano tende a respaldar fortemente uma possível sentença condenatória do Comitê de Ética da Fifa contra o Marco Polo del Nero”, opina o advogado Eduardo Carlezzo, especialista em Direito Desportivo Internacional. 

Na sexta-feira, na Corte do Distrito Leste de Nova York, jurados iniciaram as deliberações para definir o futuro dos dirigentes. Os trabalhos serão retomados hoje, mas não existe uma previsão sobre a data de divulgação do veredicto. Os advogados acreditam em uma definição até o fim desta semana. 

Marin responde a sete acusações feitas pelos promotores do governo dos Estados Unidos, sendo três delas relativas a lavagem de dinheiro. “Acredito em uma influência direta do julgamento de Nova York na suspensão de Del Nero. A divulgação de gravações levou a Fifa a adotar uma postura preventiva”, diz outro advogado que prefere anonimato por não conhecer detalhes do processo. 

Paralelamente, Marco Polo del Nero tem até amanhã para apresentar um recurso no Comitê de Apelação da Fifa contra sua suspensão. Ele não precisará viajar até a Suíça para se defender. Desde 2015, o dirigente evita sair do Brasil com receio de ser preso pelas autoridades norte-americanas. 

O recurso, no entanto, não tem efeito suspensivo, ou seja, ele continuará fora da CBF, e as investigações vão continuar. Del Nero divulgou nota em que desafia “qualquer pessoa, entidade, órgão de imprensa, investigador a comprovar que ele tenha recebido dinheiro ilegal.”

Para voltar ao cargo na CBF, o dirigente teria de reverter a suspensão mediante um recurso no Comitê de Apelação da Fifa ou Tribunal Arbitral do Esporte. Ou ainda ser absolvido na decisão de mérito do processo. A definição da situação de Del Nero deve ocorrer antes da Copa. “Entendo que não é desejo da Fifa chegar ao Mundial sem haver uma resolução definitiva do caso”, opina Carlezzo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.