Julio Cesar agradece apoio e divide méritos com seleção

Principal responsável pela classificação do Brasil para as quartas de final da Copa do Mundo, ao defender dois pênaltis no Mineirão no último sábado no duelo com o Chile, Julio Cesar dividiu os méritos pela sua atuação heroica com o restante do grupo da seleção e também com a comissão técnica. De acordo com o goleiro, o respaldo que ele recebeu foi fundamental para que pudesse brilhar em Belo Horizonte.

LEANDRO SILVEIRA, Agência Estado

29 de junho de 2014 | 11h42

"Claro que nunca posso deixar de agradecer a comissão técnica por tudo que fez por mim. Me dá tranquilidade para fazer o meu trabalho. O que os companheiros fazem por mim, com seu apoio, carinho e força. Vejo o quanto as pessoas estão torcendo por mim, individualmente, querem que ganhe pelo que aconteceu", disse o goleiro da seleção.

Tanto apoio levou Julio Cesar a chorar nos momentos que antecederam o início da disputa de pênaltis diante do Chile, após o empate por 1 a 1, no Mineirão. "Sou emotivo, nunca escondi, nunca deixei de ser eu. Chorei porque muitos chegaram e falaram coisas lindas e bacanas. Não consegui me segurar. Sabia que tinha que estar focado. Agradeço a cada um deles que me deu força", afirmou.

Após falhar na derrota por 2 a 1 para a Holanda na Copa de 2010, o que causou a eliminação do Brasil no torneio, Julio Cesar enfrentou dificuldades nos últimos quatro anos. O goleiro chegou a perder espaço na seleção, deixou a Inter de Milão e perambulou por clubes pouco expressivos, casos do Queens Park Rangers e do Toronto FC.

Julio Cesar, porém, nunca desistiu do sonho de dar a volta por cima pela seleção e conquistar o título mundial, o que definiu, inclusive, como a "última página do seu livro". "Não é fácil você ser classificado como vilão. É preciso ter controle emocional e psicológico muito grande. Nada é por acaso. Está provado mais uma vez. Se você tem um sonho, corra atrás, não desista nunca", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2014futebolBrasilJulio Cesar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.