Oleg Popov/Reuters
Oleg Popov/Reuters

Julio Cesar repete Taffarel e troca de clube para adquirir ritmo de jogo

Goleiros vão para times de menor expressão para se preparar para a disputa da Copa do Mundo

Ciro Campos e Vanderson Pimentel, O Estado de S. Paulo

08 de fevereiro de 2014 | 05h00

SÃO PAULO - Vinte anos depois o goleiro da seleção brasileira muda para um time de menor expressão no ano da Copa do Mundo para ter mais chances de atuar no principal torneio do futebol. Assim como Taffarel trocou o Parma pelo pequeno Reggiana, Julio Cesar sai do posto de reserva no Queens Park Rangers, da Inglaterra, e acertou com o Toronto FC, time canadense que atua na Major League Soccer (MLS), dos Estados Unidos.

Taffarel era reserva no Parma em 1993 e teve de deixar o clube pelo limite de jogadores estrangeiros. A saída foi defender o pequeno Reggiana, que buscava evitar o rebaixamento no Campeonato Italiano. E Taffarel foi essencial nessa missão. Fez boas defesas e teve atuação decisiva no jogo que garantiu a permanência, na vitória por a 1 a 0 sobre o Milan, fora de casa. No jogo válido pela última rodada, o brasileiro evitou o gol em um chute à queima-roupa do atacante Massaro, o mesmo de quem semanas depois defenderia o pênalti na final do Mundial.

A quatro meses da Copa do Mundo de 2014 o goleiro titular da seleção brasileira tomou uma atitude inusitada, parecida com a decisão de Taffarel. Para poder adquirir ritmo de jogo, Julio Cesar vai atuar em um país com pouca tradição no futebol e defender o Toronto FC, do Canadá, que disputa a Major League Soccer (MLS), dos Estados Unidos. Segundo o estafe do jogador, a negociação está fechada e resta apenas definir o tempo de contrato. O Toronto e o atual clube do goleiro, o Queens Park Rangers, da segunda divisão da Inglaterra, ainda não confirmara, o acerto.

A transferência para a América do Norte deve colocar fim à falta de ritmo de jogo de Julio César. Desde a final da Copa das Confederações, contra a Espanha, em junho, o jogador só atuou uma vez. No time do técnico Harry Redknapp, o brasileiro é o terceiro goleiro e nesta temporada foi titular somente na derrota por 4 a 0 para o Everton, em janeiro, pela Copa da Inglaterra.

Antes disso, em setembro, fraturou a mão direita durante um treino e ficou um mês parado. Nesse período o técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, foi questionado se estava preocupado com a inatividade do goleiro, mas descartou o problema. “Mesmo que ele não jogue (no clube), vai jogar a Copa. Tem lugar entre os três goleiros. Gosto dele, admiro, é muito bom”, disse na ocasião.

Mesmo com a vaga confirmada, o goleiro preferiu não se acomodar e quer estar em atividade antes de disputar sua terceira Copa do Mundo pelo Brasil (foi titular em 2010 e reserva em 2006). Depois de ser sondado pelo Grêmio e pelo Sunderland, optou pela chance de atuar na emergente MLS, que nos últimos anos atraiu jogadores como Beckham e Henry. A temporada começa em março.

CLUBE CANADENSE

O Toronto FC é de propriedade da mesma empresa dona do Toronto Raptors, da NBA, e de dois times de hóquei no gelo, o Toronto Maple Leafs, da divisão principal, e o Toronto Marlies, de uma liga inferior.

O clube de futebol investiu pesado em reforços para a próxima temporada. Trouxe da Roma o meia americano Michael Bradley e tirou do Tottenham o atacante Jermain Defoe, que já defendeu a seleção inglesa. Outra contratação foi Gilberto, que marcou 14 gols no Campeonato Brasileiro do ano passado pela Portuguesa.

Quem intermediou o acerto entre os dirigentes canadenses e o Queens Park Rangers foi o neozelandês Ryan Nelsen. Atual técnico do Toronto, o ex-jogador encerrou a carreira no clube londrino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.