Julio Cesar sonha em voltar à Seleção

O goleiro Julio Cesar terminou 2004 em alta. Havia sido um dos destaques do time que conquistou a Copa América derrotando a Argentina nos pênaltis e parecia firme como o segundo goleiro da Seleção, atrás apenas de Dida. Mas hoje está sumido do noticiário e louco para voltar a jogar.Ele foi contratado em janeiro pela Inter de Milão, mas como o clube não podia inscrevê-lo para a segunda metade da temporada ? está com a cota de estrangeiros completa ? o emprestou para o Chievo, onde ainda não foi convocado para nenhuma partida. Desde que chegou a Verona, sua rotina tem sido treinar à espera de uma oportunidade ? que parece cada vez mais improvável a sete rodadas do final do Campeonato Italiano ? e conhecer a cidade em companhia da mulher, Susana Werner, e do filho Cauê, de dois anos e meio.Em sua primeira entrevista desde que chegou ao clube, ele falou ao sobre o momento que vive e sobre o que espera para a próxima temporada.Agência Estado - Como você está encarando a situação de não jogar?Julio Cesar ? É complicado...É a primeira vez que passo por isso na minha carreira. Cheguei aqui com o campeonato em andamento e isso dificultou as coisas para mim, mas estou treinando forte e pronto para jogar se for preciso. Agência Estado - Quando você acertou com a Inter sabia que ia ser emprestado para o Chievo?Julio Cesar - Sabia que não ia ficar na Inter nesta temporada porque não havia vaga para mais um estrangeiro. O clube me deu a opção de ficar mais seis meses no Brasil ou ser emprestado para um time na Itália. Preferi vir para cá para poder ir me adaptando ao clima, aprender a língua, conhecer os métodos de treinamento... Se ficasse até o meio do ano no Brasil e viesse direto para a Inter, eu ia chegar meio abobalhado. Agora, não. Vou chegar esperto. Este período aqui no Chievo vai ser muito útil para mim.Agência Estado - Mas você foi para o Chievo sabendo que corria o risco de não ser aproveitado?Julio Cesar - Eu vim querendo jogar, mas sabia que existia o risco de acontecer o que está acontecendo. Às vezes é preciso dar um passo atrás para depois dar dois à frente.Agência Estado - Nos últimos anos de Flamengo você viveu situações delicadas: atrasos de pagamento, perigo de rebaixamento no Campeonato Brasileiro, conflitos entre torcida e jogadores como naquela briga no aeroporto quando vocês voltaram de uma derrota por 6 a 1 para o Atlético Mineiro... A sua relação com o Flamengo estava desgastada e por isso você preferiu correr o risco de ficar seis meses sem jogar aí na Itália a continuar aparecendo aqui?Julio Cesar - Não é que a relação estava desgastada. Eu tenho muito a agradecer ao Flamengo. Se cheguei à Seleção e hoje estou na Itália, foi graças ao Flamengo. Mas viver sem receber em dia é complicado. Para você ter uma idéia, o Flamengo ainda me deve dinheiro. Agência Estado - Mas e a Seleção? Se estivesse jogando aqui você não estaria sendo chamado?Julio Cesar - A Seleção foi convocada duas vezes este ano. Fui chamado para o jogo em Hong Kong e fiquei fora contra Peru e Uruguai pelas Eliminatórias. Sei que ganhei um bom espaço ano passado, principalmente pelo que fiz na Copa América, e tenho certeza de que vou recuperar meu espaço assim que voltar a jogar. O Marcos ficou seis meses parado por causa de uma contusão, voltou este ano jogando bem e foi convocado. Quando for para Inter e começar a jogar, eu volto.Agência Estado - Mesmo sem estar jogando, você ficou na expectativa de ser chamado na última convocação?Julio Cesar - Ah, na expectativa a gente sempre fica, né? Mas tudo bem, logo eu volto.Agência Estado - O titular da Inter é o Toldo, que até há pouco tempo era da seleção italiana. Você tem a garantia de que ele vai sair e você será o titular? E se for para lá e continuar sem jogar?Julio Cesar - Não vou falar sobre algo que não aconteceu. Se isso acontecer, você me liga e a gente conversa. O que sei é que quero ficar na Inter na próxima temporada e arrebentar. Estou contando as horas para me apresentar lá. Se tiver de disputar a posição com o Toldo, tudo bem. Confio em mim.Agência Estado - E como está a vida aí?Julio Cesar - Tudo ótimo, não sabia que ia ser tão fácil me adaptar. Verona é linda, a comida é excelente, entendo quase tudo que me falam... E já tive a experiência de treinar com neve, com três graus abaixo de zero.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.