Juninho Paulista está chegando

Juninho Paulista foi o maior trunfo da diretoria para desviar o assunto da derrota para o Corinthians no clássico deste domingo. As informações que o presidente Afonso Della Mônica passou para Candinho foram concretas. O jogador pediu desligamento do Celtic e a liberação deverá sair entre esta segunda e terça-feira. Em compensação, Gamarra não virá. "Nós teremos um grande jogador. A chegada do Juninho será importante para todo o grupo. Estamos pensando no futuro do Palmeiras", dizia o supervisor Ilton José da Costa.O plano de Candinho é transformar Juninho Paulista no grande líder do Palmeiras do meio para a frente. "Nós temos o Marcos na defesa e o Magrão no meio. O Juninho será fundamental para dar equilíbrio ao time."Toda a alegria de Candinho em relação a Juninho acabava quando tinha de explicar sobre o fracasso das negociações com Gamarra. "Infelizmente um zagueiro da Inter teve problemas pessoais e a diretoria não pôde abrir mão do Gamarra. Estávamos conversando e o negócio iria dar certo. Foi uma pena", lamentava Candinho.Ainda em relação ao jogo, Nen diz ter conseguido travar a maior estrela do futebol brasileira. "O Tevez não teve espaço comigo. Eu antecipei todas as jogadas. A bola quase não chegou para ele. No final da partida ele estava tão irritado que me segurou duas vezes. Se o Palmeiras perdeu, eu saio do Morumbi sabendo que a minha missão eu cumpri."Já Daniel admite ter cometido o pênalti em Gil. "Eu cheguei depois na bola. Vim correndo e acabei tendo o contato com ele. Mas foi uma das poucas chances que os atacantes do Corinthians tiveram de chegar perto do Marcos. No restante da partida acredito que jogamos bem. Poderíamos ao menos ter empatado."No vestiário, o jogador mais revoltado foi Marcos. Já no gramado, o goleiro saiu correndo, fugindo, para não dar entrevista. O mesmo aconteceu nos corredores do Morumbi. Cercado por segurança, o jogador da Seleção Brasileira só balançava a cabeça e recusava os pedidos dos repórteres para falar.Marcos e Magrão se apresentam na Seleção Brasileira nesta terça-feira para os jogos contra Peru e Uruguai. O volante se segurou, mas ironizou os corintianos na última frase antes de sair do Morumbi. "Perdemos para eles. Mas continuamos a jogar a Libertadores. E eles têm pela frente o Cianorte."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.