Juninho precisa montar um time em 9 dias

Juninho terá pela frente nos próximos dias um desafio dos mais difíceis, daqueles dignos de figurar como um dos 12 trabalhos de Hércules. O técnico do Corinthians terá a tarefa de transformar um grupo de 22 jogadores que acabaram de chegar das férias - dos quais 12 são recém-contratados - em um time de futebol competitivo. A missão até pareceria viável, não fosse o prazo de apenas nove dias para executá-la. Entre os jogadores, até mesmo os mais experientes, como o volante Rincón, nunca enfrentaram situação parecida. "Já aconteceu de a gente ter pouco tempo para se preparar em jogos da seleção colombiana, mas em clube não me lembro de ter tão pouco tempo para preparação antes de campeonato." O jogador está consciente de que o time terá dificuldades no início do Campeonato Paulista. "O jeito é todo mundo mostrar o seu talento a serviço da execução das táticas do treinador." O zagueiro Valdson, que hoje assinou contrato com o Corinthians, resumiu a situação. "Acho que é a pré-temporada mais curta do País. Vai ter de ser mais na base da força de vontade", disse o jogador, que hoje ainda fazia exames médicos. A favor, o defensor acredita que o time terá a ajuda de uma comissão técnica qualificada. Para o goleiro Fábio Costa, apesar do tempo de preparação ser especialmente pequeno, a situação não é exatamente uma novidade. "Isso tem acontecido sempre porque quem faz as regras e os calendários não joga." A solução, segundo o jogador, é a mesma de todos os anos: ganhar entrosamento durante a competição. "Acho que as coisas estarão melhores em três, quatro ou cinco jogos." O volante Careca, outro que hoje vestiu a camisa do Corinthians pela primeira vez está em uma situação ainda mais delicada. "Preciso provar que tenho condições de jogar no time em três meses", disse o jogador. O desafio, segundo o jogador, não intimida e, assim como pensa Fábio Costa, o entrosamento virá com o passar dos jogos. Nem mesmo Juninho tem uma solução pronta para seu problema. "A equipe vai ser montada em Extrema", diz o treinador, fazendo referência à viagem que o grupo fará amanhã para o Sul de Minas Gerais, onde ficará para a pré-temporada. E a ?cara? do time não deverá ser definida, pelo menos no início, por critérios técnicos ou por possível entrosamento entre jogadores que já atuaram juntos na carreira. "Provavelmente os atletas em melhor condição física terão maiores chances de ganhar vaga no time titular." No Corinthians de 2004, quem corre mais, chora menos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.