Juninho: reação tem quer ser de todos

Apesar das palavras de apoio do capitão Rogério e do goleiro Fábio Costa, a diretoria do Corinthians desconfia que Juninho Fonseca não tem o respaldo do grupo que ele dirige. A forma displicente como o time se apresentou nas duas últimas partidas (contra o Botafogo-PB em João Pessoa pela Copa do Brasil e no clássico de domingo, contra a Portuguesa, no Morumbi, pelo Campeonato Paulista) colocou o técnico numa situação dramática. "Para o bem de todo mundo, vamos torcer para que o time seja bem diferente em todos os sentidos contra o São Paulo". O próprio Juninho sabe que está pressionado e prometeu dar uma resposta prática no clássico de domingo para não ser demitido. No seu reencontro com o grupo, hoje pela manhã, no Parque Ecológico do Tietê, ele deixou claro que a responsabilidade de uma reação é de todos. O treinador também esclareceu que não pretende se demitir, nem quis avaliar a hipótese de voltar a dirigir os juniores em caso de uma eventual dispensa. "Nem vou comentar isso". Depois, explicando melhor sobre a decisão de não se demitir, Juninho foi mais abrangente. "Eu, pedir demissão? Isso não tem nada a ver, não combina com a minha personalidade. Tenho um trabalho tratado. Acredito nas coisas com começo, meio e fim. E nós ainda estamos só no começo". Depois do treinamento da manhã, Juninho prestou contas ao diretor-técnico Rolberto Rivellino. O que eles conversaram, exatamente, ou o nível das cobranças, não se sabe. Mas o treinador deu uma pista do que iria dizer ao chefe. "Fiz uma avaliação do meu trabalho no final de semana. Infelizmente os resultados foram mais rápidos do que o meu trabalho. Posso até levar uma dura do Rivellino. Mas vou mostrar que temos respostas para as perguntas dele". De acordo com o técnico, o time foi montado recentemente e ainda paga pela falta de entrosamento. "Eu também estou preocupado com o rendimento da equipe e com a nossa classificação. Mas é preciso não esquecer que é só o início da temporada. Com o tempo, o time se acerta.O problema é que os resultados falam mais do que qualquer trabalho". Se o time perder para o São Paulo, um novo técnico pode ser anunciado já na semana que vem. Por enquanto, Muricy Ramalho, Mário Sérgio e Ricardo Gomes são os candidatos. O ex-técnico da Seleção Olimpica, no entanto, saiu um pouco atrás nessa briga, por tudo o que ocorreu no pré-olímpico do Chile. O sonho corintiano é Tite, do São Caetano. Mas a diretoria não alimenta ilusões em relação ao ex-técnico do Grêmio, por ser um homem que não costuma quebrar os seus contratos. De sua parte, o vice-presidente de Futebol Antonio Roque Citadini nega que o clube já esteja procurando um substituto para Juninho. "Ainda não conversamos com ninguém".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.