Divulgação
Divulgação

Juninho se diz pronto para encarar pressão no Palmeiras

Mesmo sem ter assinado contrato com o clube, lateral diz que time vai mudar de postura e pede apoio

DANIEL BATISTA, Agência Estado

13 de dezembro de 2011 | 18h09

SÃO PAULO - Primeiro reforço do Palmeiras para 2012, o lateral-esquerdo Juninho ainda nem assinou contrato, mas já diz estar preparado para aguentar a pressão sobre o time que vive jejum de grandes títulos. "O torcedor pode confiar que no ano que vem vamos inverter essa situação. Precisamos do apoio deles", convoca.

Juninho deve assinar contrato ainda nesta semana. Ele foi aprovado nos exames médicos na segunda-feira e retornou à Florianópolis nesta terça para rescindir seu contrato com o Figueirense. Após a rescisão, o lateral deverá fechar vínculo de três anos com o Palmeiras.

"Fico feliz pelo acerto, espero ter um bom desempenho e dar muito orgulho para a torcida", diz o jogador, que já negociava com o clube catarinense há dois meses. "O torcedor está um bom tempo sem título. Quero chegar e conseguir fazer voltar a brigar por títulos", promete.

Apesar da pouca experiência, o jogador de 21 anos não mostra preocupação com as eventuais cobranças. "Vai ser até legal viver tudo isso. Será uma nova pressão, pois sou jovem e vou aprender antes do que outros jogadores a passar por isso, já que é a minha primeira experiência em time grande", declara o lateral, que se destacou no Brasileirão com a camisa do Figueirense.

Juninho também não se incomoda com a possível contratação de Kleber, lateral-esquerdo pedido pelo técnico Luiz Felipe Scolari e eventual concorrente na briga por um espaço no time titular. "Isso não me incomoda. Ter um grupo forte é bom. Se caso o Palmeiras contratar outro jogador, vou disputar posição normalmente. Nunca cheguei para ser titular em time nenhum. Conquistei a vaga com meu trabalho".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasJuninho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.