Juninho sobre o Corinthians: "chique"

Se Juninho Fonseca é bom técnico, ninguém ainda se atreve a afirmar. Se vai tirar o Corinthians do buraco, difícil prever. Porém, há um detalhe indiscutível no Parque São Jorge. O treinador interino conseguiu uma vitória importante antes mesmo de sua estréia, marcada para domingo, contra a Ponte Preta, no Pacaembu. Com seu jeito simples, caipirão, já conquistou a simpatia de dirigentes, integrantes da comissão técnica e jogadores. E não é preciso muito esforço para chegar a essa constatação. Um bate-papo rápido com Juninho é suficiente. Faça pergunta corriqueira, como por exemplo... que tipo de sensação vai ter ao entrar pela primeira vez no estádio como técnico do time principal do Corinthians? ?Minha Nossa Senhora! É uma emoção muito grande. Vai ser o jogo mais chique da minha vida!? Chique? É isso mesmo. E o adjetivo não se aplica somente à partida. Arrisque outra pergunta, talvez sobre a estrutura do clube. ?Minha Nossa Senhora (de novo)! É muita gente trabalhando, rapaz! Vem informação de tudo quanto é lado. A gente fica até meio tonto. É tudo muito chique.? O jeitão caipira provoca a inevitável simpatia, que o ajuda a arrebanhar os atletas para seu lado. Duro mesmo é acostumar com a rotina do profissional. ?Rapaz, ontem mesmo levei uma bronca daquelas?, revelou o treinador. ?Não sabia que tinha de avisar tanta gente quando mudo alguém de posição?, afirmou, referindo-se ao deslocamento de Rogério da lateral-direita para o meio-campo. Segredo ? Agora, nem sempre Juninho se mostra dono de um discurso simples. Experimente questioná-lo sobre o critério utilizado para escalar determinado jogador nessa ou naquela posição. ?Eu faço um levantamento matemático no qual dou notas para cada item que considero importante. Então eu estipulo vontade, aceitação, preparo-físico, habilidade, experiência, entre outros, e vou dando notas. Ele (Rogério) teve uma nota X quando o levantamento se deu para a lateral-direita e X+1, ou X+1,5, para o meio-campo. Então venceu a segunda opção?, explicou. Básico!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.