Junior Baiano nega envolvimento

As informações de um suposto envolvimento do zagueiro Júnior Baiano com traficantes de droga de Feira de Santana, no interior da Bahia, conturbaram o ambiente no Flamengo, apesar da iniciativa rápida da diretoria do clube de divulgar nota oficial em apoio ao atleta. Pela manhã, no centro de treinamento do ex-jogador Zico, onde a equipe rubro-negra manteve atividade, foi intenso o movimento de curiosos e o vaivém de dirigentes. Júnior Baiano tentou aparentar calma, mas deixou claro o nervosismo com seu desempenho no treino."Também quero saber o que é isso. Realmente, conheço essas pessoas desde a infância. São meus amigos de infância, mas cada um segue o seu caminho. Não é porque uma pessoa faz coisas erradas que eu vou dizer que não as conheço", disse Júnior Baiano, referindo-se a alguns nomes citados pela Policia Civil de Feira de Santana (BA), onde o zagueiro nasceu.O atleta negou que tivesse presenteado um dos indiciados, como chegou a ser veiculado. "Não dei carro a ninguém. Isso não é verdade". A polícia baiana teria em seu poder gravações telefônicas grampeadas, que incriminariam Júnior Baiano. O grande-benemérito do Flamengo, o advogado Michel Assef, foi acionado pelo clube e entrou em contato com a delegacia de Feira de Santana, responsável pela apuração das denúncias. "O policial com quem conversei me disse que realmente existe uma gravação grampeada envolvendo um traficante de Feira de Santana, mas negou que na referida gravação tenha registrada a voz do Junior Baiano." Assef vai a Feira de Santana na segunda-feira para se inteirar do processo e ler os depoimentos de um traficante já preso. Júnior Baiano, por sua vez, também quer ir à cidade para tomar conhecimento dos fatos. "Devo viajar quarta-feira. Quero tudo esclarecido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.