Júnior causa discórdia no São Paulo

O início do ano promete ser quente no São Paulo. O presidente Marcelo Portugal Gouvêa e o técnico Emerson Leão estão em rota de colisão. O motivo da discórdia é o lateral-esquerdo Júnior. Enquanto o treinador esnobou o lateral, deixando-o de fora da reta final do Campeonato Brasileiro, o dirigente avisa que Júnior continuará no clube, pelo menos até o término de seu contrato. "Ele é jogador do São Paulo até o final de junho. E não irá embora antes disso. A decisão é do presidente. Depois, não sei se ele continuará. Antes, não", afirma Marcelo Portugal Gouvêa.O recado do presidente é direcionado apenas para Leão: terá de ?engolir? Júnior. O desentendimento entre os dois começou depois que o lateral passou a questionar as substituições. O técnico não gostou do que ouviu e, como castigo, nem relacionou o lateral nas três últimas rodadas do Campeonato Brasileiro.Sobre reforços, Marcelo Portugal Gouvêa avisa que a prioridade é resolver o problema crônico no meio-de-campo. Com a chegada do volante Josué, a diretoria concentra os esforços para trazer o meia Tcheco, atualmente no futebol árabe.Depois de fechar o meio-de-campo, o São Paulo irá atrás de um companheiro ideal para Grafite no ataque. Luizão era o primeiro nome para a posição. Marcelo Portugal Gouvêa, no entanto, admite que o destino do atacante deverá ser mesmo o Corinthians, em razão de pendência judicial entre as duas partes.Os outros nomes já sondados pela diretoria são-paulina foram Fabrício Carvalho, do São Caetano, e Cláudio Pitbull, do Grêmio. O problema, nos dois casos, é que os jogadores têm melhores propostas financeiras do futebol estrangeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.