Júnior é enterrado em Taguatinga

O corpo do jogador brasileiro Cristiano Lima Júnior, que morreu no dia 5 na final da Copa da Índia, aos 24 anos, foi enterrado no fim da tarde desta quarta-feira, no Cemitério de Taguatinga, cidade-satélite de Brasília. Cerca de 200 pessoas acompanharam a cerimônia. O corpo de Cristiano chegou da Índia na madrugada de hoje ao aeroporto e logo foi remetido ao Instituto Médico Legal, para a realização de uma autópsia. O exame foi feito a pedido da família, que contesta um laudo emitido por autoridades indianas. Para peritos indianos, a morte do jogador foi provocada por um ataque cardíaco, sofrido em campo. No exame de hoje, legistas brasileiros não puderam analisar o coração do jogador, que ficou retido na Índia. O advogado da família de Cristiano, Samuel Santos, afirmou que os médicos tentaram verificar se havia alguma lesão na coluna do jogador. A família suspeita que Cristiano tenha sofrido um traumatismo na coluna, depois de ser atingido por um soco do goleiro do Mohun Bagan, Paul Subrata. O advogado afirmou que a Federação Indiana de Futebol comprometeu-se hoje a enviar o coração do jogador para o Brasil. "O coração deverá também ser analisado, o que provavelmente deverá atrasar um pouco a entrega do laudo do IML", afirmou o advogado. Pelos cálculos de Santos, o resultado do exame deverá ficar pronto dentro de 20 dias. Caso seja comprovado que Cristiano morreu em decorrência do trauma, a família deverá pedir uma indenização. Cristiano, atacante do Dempo, morreu depois de fazer seu 2.º gol na partida contra o Mohun Bagan, na final da Copa da Federação Indiana. Logo depois do acidente, policiais descartaram a possibilidade de o morte ter sido provocada pelo golpe do goleiro. Apesar de não ser conhecido no Brasil, Cristiano era um dos astros do futebol indiano e tinha um dos maiores salários do país. Evangélico, o jogador não bebia e não fumava. Segundo seus familiares, o jogador nunca apresentou problemas cardíacos. O irmão do jogador, Lynse Ramos de Lima, contou que Cristiano fazia periodicamente exames médicos e que nunca nenhum problema foi detectado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.