Júnior fala, e evita polêmica com Leão

O lateral-esquerdo Júnior falou nesta quarta-feira pela primeira vez depois do seu afastamento do São Paulo pelo técnico Emerson Leão, sábado passado, um dia antes do jogo contra o Vitória. Procurando demonstrar tranqüilidade, o jogador não quis entrar em polêmica com o treinador são-paulino. Desde que Júnior reclamou após ter sido substituído no jogo contra o Internacional, há 12 dias, criou-se um clima de mal-estar entre ele e Leão. A gota d?água foi o seu afastamento do jogo de Salvador."Eu pensei que tudo já estivesse resolvido depois da partida contra o Internacional (há duas rodadas). Mas eu respeito a decisão do treinador. Ele é pago para escalar o time e eu sou um funcionário do clube", comentou Júnior. "É uma situação nova na minha carreira. Mas eu estou tranqüilo e tenho que continuar trabalhando. Claro que é chato para o jogador, mas está tudo normal. Nunca fui de me envolver em polêmica". Júnior perdeu a posição para o jovem Fábio Santos, de 19 anos, e não será mais o titular nos dois jogos que restam para o fim do Campeonato Brasileiro - Flamengo, domingo, no Morumbi, e Goiás, dia 19, em Goiânia. Aos 31 anos, Júnior garante que teve maturidade o suficiente para conviver com essa situação, até então inédita em sua carreira. No entanto, pediu a ajuda de pessoas próximas. Uma delas foi o volante César Sampaio, amigo do lateral desde a época em que atuaram juntos no Palmeiras, há quase cinco anos. "O Sampaio é como se fosse um irmão para mim. Ouvir as pessoas que gostam de você é bom para que a gente não cometa erros", diz.Segundo Júnior, o grande problema desde a sua chegada, há três meses, é que o lateral tem sido cobrado principalmente pelo futebol que mostrou quando jogava pelo time de Parque Antártica. "Lá no Palmeiras eu joguei quatro anos e meio. Aqui no São Paulo eu estou há pouco tempo (veio do Parma), ainda me readaptando ao futebol brasileiro."Emerson Leão tratou logo de colocar panos quentes no problema. "Tudo está resolvido, não tem nenhuma crise aqui", afirmou Leão. "Foi um baque para mim, mas nem procurei saber o motivo", disse Júnior. O técnico são-paulino argumentou que, por causa das constantes substituições do lateral-esquerdo, as coisas não vinham bem. "Mas agora ele terá tempo de se preparar na pré-temporada e poder jogar todo o futebol que dele se espera", disse Leão."Eu reclamei no momento em que queria jogar, era para ajudar, jamais para atrapalhar o São Paulo. Eu estava subindo de produção. Não quero saber o motivo do afastamento, porque quem manda no time é ele (Emerson Leão)", observou o lateral-esquerdo são-paulino, que tem contrato até agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.