Júnior promete São Paulo forte no Mundial

Apesar da má fase que o São Paulo atravessa, Júnior demonstra confiança na recuperação da equipe no Campeonato Brasileiro e, principalmente, na disputa do título mundial contra o Liverpool, em dezembro. O lateral-esquerdo reclama do calendário nacional e diz que não está jogando mal. Pentacampeão mundial em 2002, ele não desistiu de disputar a Copa da Alemanha, no ano que vem. Leia os principais trechos da entrevista:Agência Estado - Qual São Paulo vai disputar o Mundial Interclubes? O que ganhou a Libertadores ou esse que luta contra o rebaixamento no Brasileiro? Júnior - O do primeiro semestre, que ganhou a Libertadores e o Paulista, fato difícil de acontecer. Um time vencedor, que tem capacidade de ganhar o Mundial.AE - E como fazer esse time voltar a jogar como antes? Júnior - Já estamos melhorando nos últimos jogos. Uma coisa fundamental é afastar logo essa possibilidade de rebaixamento e se dedicar apenas ao Mundial. Chegar bem forte. O título do Brasileiro, acho difícil.AE - Dá para ganhar do Liverpool? Júnior - Lógico que dá. Nós podemos ganhar de todos os times. Somos muito fortes. O time deles tem bons jogadores de defesa, principalmente o Hyypia e o Carragher e três atacantes muito bons, o Morientes, Garcia e Cisse, mas nós também temos muitas qualidades.AE - Se o Liverpool desistisse, entraria o Milan... Júnior - Também dá para ganhar. Do Milan, do Real Madrid, de todos. O Boca venceu um Mundial recentemente, também podemos.AE - Você vai jogar como meia ou como lateral? Júnior - Quero jogar na minha, sou lateral, mas se o técnico precisa, vou para o meio-de-campo. Sempre fiz isso em vários times.AE - Você está bem? Parece cansado em alguns jogos. Júnior - Eu estou bem, mas não se pode esquecer que o calendário no Brasil é muito puxado. Estamos chegando a 60 jogos nesse ano. Na Europa, o normal é fazer 45 partidas. Os times têm elencos maiores, podem poupar jogadores. Joga no Italiano e descansa na Copa da Uefa, ou vice-versa. Dá para trabalhar mais a parte física e tática.AE - E no Brasil? Júnior - Seria bom ter um tempo a mais, para treinar e se recuperar. Quem sabe melhora agora, com o fim dos jogos no meio da semana.AE - Nos últimos jogos, tem sobrado muito espaço nas suas costas para os adversários? Júnior - Será? Quando a fase está ruim, tudo atrapalha. A gente estava perdendo para o Atlético-PR e fui para o ataque. Estava na ponta direita, fazendo pressão para ganhar a bola. Eles fizeram a ligação na esquerda, para o Jancarlos. Ele avançou e fez o gol. Se a fase fosse outra, talvez eu tivesse ganho a bola e até feito um gol.AE - Você está desanimado porque o Parreira parece ter se definido pelo Gilberto como reserva do Roberto Carlos? Júnior - Não, não desanimo não. Sempre que fui convocado, dei conta do recado, sempre joguei bem, colaborei com todos. Se for chamado, dou conta do recado. Quem sabe a vitória no Mundial não me ajuda?AE - E o Corinthians? Júnior - Vamos para cima. Ganhamos no primeiro turno e dá para ganhar de novo. Mas é difícil o jogo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.