Juniores sonham alto no Corinthians

Na euforia do título da Copinha, os garotos do Corinthians não deixaram de mostrar preocupação quanto ao futuro. Muitos estão prestes a "estourar" a idade de juniores (20 anos) e não sabem o que acontecerá daqui para a frente. "Ninguém me falou nada. Mas tudo que eu espero é ter mais uma chance entre os profissionais", disse o atacante Bobô, autor de sete gols na Copa, sendo um deles nesta terça-feira, na final. "A gente fica na expectativa de ser aproveitado. Acredito ter feito um bom trabalho na Copa", disse o meia Elton, de 1,57m, que fez uma linda jogada no fim da partida: passou por quatro adversários, "em fila", e tocou para Bobô, que chutou fraco, nas mãos do goleiro Rodrigo. "Acho que fiz uma bela partida", avaliou Elton, apelidado de "Baixo" pelos companheiros.Além de Bobô, Elton e Dinélson, outros garotos vivem a expectativa de serem promovidos ao time de cima, como o goleiro Júlio César, os zagueiros Fábio e Marcos Vinícius e o volante Bruno Octávio. "Todos esses garotos têm condições de jogar nos profissionais. Uns já estão prontos, outros ainda não. É tudo uma questão de tempo", disse o técnico Adaílton Ladeira.Tumulto - Houve tumulto antes do jogo nas bilheterias. Com o ingresso a R$ 4, a procura dos torcedores foi maior do que o previsto. Às 10h30, meia hora após a bola começar a rolar, ainda havia gente entrando no Pacaembu. Para contornar a confusão, a polícia chegou a fechar o portão principal e direcionar os torcedores para o tobogã. Lá, mais problemas: algumas pessoas tentaram pular o muro que dava acesso ao setor das cadeiras centrais. E nas numeradas, cerca de 15 corintianos resolveram testar a sensação de serem repórteres por um dia e invadiram o setor reservado à imprensa escrita. Não havia policiais no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.