Justiça anula eleição do Vasco da Gama

Por unanimidade, 8.ª Câmara do Tribunal de Justiça ordena que novo pleito ocorra em 30 dias

Redação,

04 de março de 2008 | 12h44

A oposição do Vasco da Gama conseguiu nesta terça-feira anular a eleição para o Conselho Deliberativo do clube, ocorrida em 13 de novembro de 2006. Por unanimidade, a 8.ª Câmara do Tribunal de Justiça decidiu pela anulação e estabeleceu um prazo de 30 dias para a convocação de novas eleições. A atual diretoria do Vasco, através de Eurico Miranda, poderá recorrer da decisão no Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. Se descumprir a ordem, Eurico terá de pagar uma multa de R$ 30 mil por dia. A oposição do Vasco, liderada pelo ex-jogador Roberto Dinamite, havia apontado irregularidades na eleição, que teve a chapa de Eurico como vitoriosa - na lista de conselheiros, segundo a oposição, existiam nomes de pessoas que não estavam no pleito ou que haviam falecido. Em entrevista ao canal SporTV, Dinamite comemorou a decisão. "Queremos uma eleição tranqüila, para o bem do Vasco. Sabemos que eles ainda vão recorrer da decisão, mas o torcedor do Vasco tem o direito de escolher a sua chapa." A Justiça já havia anulado a eleição do Vasco em 8 de março do ano passado, através do juiz Renato Ricardo Barbosa, da 15ª Vara Cível. No entanto, os advogados de Eurico Miranda entram com um mandado de segurança, o que provocou um novo julgamento.

Tudo o que sabemos sobre:
Vasco da GamaEurico Miranda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.