Bruno Cantini/Divulgação
Bruno Cantini/Divulgação

Justiça bloqueia renda da primeira final da Copa do Brasil

Pedido foi feito em uma das ações contra o Atlético relativa a dívida de R$ 11,8 milhões; órgão acatou pedido da Fazenda Nacional

MARCELO PORTELA, Estadão Conteúdo

11 de novembro de 2014 | 19h08

A Justiça Federal em Minas acatou pedido da Fazenda Nacional e determinou o bloqueio da renda da primeira partida da final da Copa do Brasil, entre Atlético-MG e Cruzeiro, nesta quarta-feira, no Estádio Independência, assim como o bloqueio dos valores que deveriam ser repassados por operadoras de cartão de crédito ao clube atleticano pelos pagamentos mensais dos sócios do "Galo na Veia".

O pedido foi feito em uma das ações contra o Atlético relativa a uma dívida de R$ 11,8 milhões. Em sua decisão, o juiz André Gonçalves de Oliveira Salce, da 26ª Vara Federal em Belo Horizonte, observou que o clube tem diversas fontes de renda, mas as execuções não encontram bens penhoráveis.

Para o juiz, há "indícios de que o devedor tem dissipado ou ocultado suas rendas, a fim de se furtar à penhora ou arresto nas diversas execuções fiscais que tramitam em seu desfavor". Por meio do Twitter, o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, afirmou que o time já aderiu ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis) para parcelar a dívida de cerca de R$ 187 milhões e, em referência ao magistrado, disse que vai "para o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) ver a vida deste bostinha". A Justiça Federal não se pronunciou sobre a declaração do dirigente.

SEGURANÇA

Segundo o chefe do Comando de Policiamento Especializado (CPE) da Polícia Civil mineira, coronel Ricardo Machado, a corporação montou um esquema especial para o confronto desta quarta, marcado para começar às 22 horas, que mobilizará 3 mil policiais.

A PM também havia previsto operação para escoltar a torcida cruzeirense na chegada e na saída do Independência, ação que foi descartada com a decisão da direção celeste de recusar os ingressos oferecidos pelo Atlético. Na segunda-feira, militares fizeram uma vistoria no estádio e a corporação informou que vai impedir a entrada de torcedores com qualquer tipo de objeto que possa ser arremessado no campo.

Além da PM - e de seguranças privados que atuam dentro do Independência -, a Polícia Civil também montou uma unidade especial com equipe à disposição exclusivamente para ocorrências relacionadas ao jogo. A equipe, que atuará entre 19h de quarta-feira e 7 horas de quinta-feira, ficará encarregada apenas de casos registrados a mais de cinco quilômetros do estádio, já que outra equipe ficará encarregada das ocorrências registradas dentro e no entorno da arena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.