Justiça condena Pelé a pagar R$ 120 mil

O ex-jogador Pelé foi condenado nesta sexta-feira a pagar R$ 120 mil a seu ex-sócio Hélio Viana de Freitas, a quem acusou de desvio de verbas (cerca de US$ 700 mil) - dinheiro que teria sido enviado à empresa de Pelé e Viana, a Pelé Sports Marketing Inc., para a realização de um evento de cooperação, que jamais foi realizado, com o Fundo das Nações Unidas para a infância (Unicef), seção Argentina, em 1995. A juíza Ione Pernes, da 37ª Vara Cível da Justiça do Rio, registrou na decisão que, "sem sombra de dúvidas o réu ofendeu a honra do autor (da ação) ao declarar em jornal de enorme circulação que aquele era falsificador". Ela se referia a uma entrevista concedida por Pelé à Folha de S. Paulo. "Com certeza, o contestante denegriu a imagem do autor, difamando-o e caluniando-o ao afirmar que aquele roubou numerário da sociedade constituída por ambos, sem que houvesse prova cabal nesse sentido." Ela julgou procedente o pedido de Hélio Viana, condenando o réu a pagar a quantia de 120 mil reais, corrigida monetariamente e acrescida de juros de mora de 0,5% ao mês, a partir da citação. Pelé se defendeu das acusações de Viana, de que fôra ofendido, alegando que as expressões utilizadas na entrevista foram genéricas e demonstram desabafo contra aquele que lhe traiu a confiança. E disse também que foi absolvido no IV Juizado Criminal da queixa-crime que o autor lhe moveu. A juíza afirmou que "nenhum provimento na esfera cível nem na criminal embasa as declarações do réu na entrevista". Pelé não compareceu à audiência de instrução e julgamento e nem justificou a ausência.

Agencia Estado,

09 de janeiro de 2004 | 19h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.