Justiça da Itália adia julgamento de Dida

Dida comemorou 30 anos no começo da semana, vive fase excelente no Milan e na seleção, mas não está totalmente livre de problemas judiciais. O titular do Brasil ainda responde a processo, em tribunal de Milão, por uso de passaporte português falso, quando deixou o Cruzeiro e se transferiu para a Itália. O caso deveria ser analisado nestes dias, mas foi transferido para 13 de janeiro de 2004.A nova data foi fixada nesta quinta-feira pelo juiz Stefano Corbella, de Milão, que atendeu a pedido do advogado de Dida e do empresário italiano Oscar Damiani. Ambos foram convocados para prestar esclarecimentos sobre o do assunto no início do ano. Damiani alega ter sido apenas o portador do documento que lhe havia sido entregue por Edinho, ex-jogador do Fluminense, da Udinese e da seleção brasileira, que durante algum tempo atuou como intermediário em transações com jogadores. Com o passaporte português, Dida era considerado "jogador comunitário", ou seja, tinha direito de jogar sem restrição em qualquer clube da União Européia.Edinho e Dida já passaram pelo crivo da justiça da Itália. O goleiro admitiu a falha e recebeu condenação da juíza Maria Luisa Savoia, também de Milão. A magistrada, no entanto, o liberou do cumprimento da pena por boa conduta.Eliminatórias - A Confederação Sul-Americana de Futebol divulgou os juízes para as próximas rodadas da fase de classificação para a Copa de 2006. Peru x Brasil, em 16 de novembro, em Lima, terá arbitragem de Oscar Ruiz (Colômbia). Brasil x Uruguai, dia 19, em Curitiba, estará sob o comando de Horacio Elizondo (Argentina).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.