Arnd Wiegmann / Reuters
Arnd Wiegmann / Reuters

Justiça da Suíça rejeita recurso e Valcke continua suspenso do futebol por 10 anos

Ex-secretário-geral da Fifa foi punido devido à revenda ilegal de bilhetes para a Copa do Mundo de 2014

Redação, Estadão Conteúdo

31 de maio de 2019 | 11h42

O Tribunal Federal da Suíça anunciou nesta sexta-feira que rejeitou o recurso apresentado pelo francês Jérôme Valcke, ex-secretário-geral da Fifa, contra a suspensão de 10 anos que lhe foi aplicada devido à revenda ilegal de bilhetes para a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil.

O dirigente francês, ex-braço direito de Joseph Blatter, que liderou a Fifa entre 1998 e 2015, viu a principal autoridade judicial suíça, com sede em Lausanne, confirmar a sanção que lhe foi imposta pelos órgãos disciplinares da entidade. Valcke é também acusado de ter feito viagens pessoais em jatos particulares pagos pela Fifa.

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) confirmou em julho de 2018 a suspensão de Valcke por 10 anos de todas as atividades ligadas ao futebol. Agora, com a perda do recurso, o francês pode apenas recorrer para o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, situado em Estrasburgo, na França, como fez o ex-jogador Michel Platini, ex-presidente da Uefa, depois de também ter visto o seu recurso apresentado contra a suspensão de quatro anos ser recusado pelo Supremo Tribunal de Justiça suíço.

Além deste processo, Valcke é também réu em um outro processo em que o presidente do Paris Saint-Germain, o catariano Nasser Al-Khelaïfi, está envolvido. Al-Khelaïfi e Valcke são investigados por corrupção, gestão desleal e fraude, juntamente com "um empresário ligado ao setor dos direitos esportivos", segundo a Procuradoria suíça.

Em meados de outubro, Valcke negou ter recebido subornos do presidente do PSG e do diretor-executivo do grupo BeIN Media para ceder os direitos televisivos de Mundiais de futebol, mas a Justiça suíça suspeita que o ex-dirigente recebeu subornos do empresário para conceder os direitos televisivos, em diversos países, nos Mundiais de 2018, 2022, 2026 e 2030.

"Existe um processo que me acusa de ter beneficiado, especialmente da parte de Al-Khelaïfi, por conceder os direitos televisivos por um valor inferior no Oriente Médio. Quero apenas dizer que não é verdade. Nunca recebi nada em recompensa de outra coisa", disse Valcke em entrevista na época ao jornal francês L’Équipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.