Edison Temoteo/Futura Press
Edison Temoteo/Futura Press

Justiça decreta prisões de suspeitos de assassinato de fundador da Mancha

Trabalho de investigação vai continuar para apurar motivações do crime e possível envolvimento de outras pessoas

O Estado de S. Paulo

10 de março de 2017 | 20h37

A Justiça decretou nesta sexta-feira a prisão temporária de dois suspeitos pelo assassinato de Moacir Bianchi, um dos fundadores da principal torcida organizada do Palmeiras, a Mancha Alviverde. A vítima foi morta com 16 tiros na madrugada do último dia 2, em emboscada na Avenida Presidente Wilson, no bairro do Ipiranga, zona sul da capital paulista. Não foram divulgados os nomes.

O trabalho do Ministério Público e do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) determinou a prisão do autor dos disparos e do motorista do veículo de onde um homem desceu antes de atirar em Bianchi. As imagens capturadas de câmeras de segurança da rua mostram ainda que além do carro que transportava os supeitos e do veículo do palmeirense, um taxi participou da ação.

A investigação realizou o trabalho a partir de depoimentos de testemunhas e da gravação das câmeras. O promotor de Justiça Tomás Ramadan solicitou à Polícia Civil mais informações sobre a noite do crime para apurar a motivação do assassinato. Horas antes, houve uma briga entre membros da organizada nas proximidades da sede. Bianchi era um dos responsáveis por intermediar o conflito interno.

A apuração vai tentar esclarecer a possível participação de mais indivíduos no crime. O assassinato fez a torcida organizada do Palmeiras anunciar o encerramento das atividades e depois, voltar atrás. Nesta sexta-feira a uniformizada disse em comunicado que a atual diretoria deve renunciar aos cargos. O intuito é realizar uma mudança de gestão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.