Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Justiça determina penhora de parte da venda de Rodrigo Caio

São Paulo terá bloqueado R$ 3,1 milhões por dívida de 2002

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de junho de 2015 | 18h07

O São Paulo vai ter que penhorar parte da venda do zagueiro Rodrigo Caio ao Valencia, da Espanha, para pagar uma dívida de 2002. Uma decisão da 11ª Vara de Justiça Cível de São Paulo publicada nesta quarta-feira no Diário de Justiça determinou a retenção de R$ 3.119.479,69 do total de R$ 44 milhões pagos pela negociação do jogador, fechada na última semana.

O pagamento será destinado à empresa Prazan Comercial Ltda., que cobra uma comissão do clube pela negociação do lateral Jorginho Paulista. O montante será bloqueado pela Justiça e é o valor corrigido da época do início do processo, em 2006, quando a credora exigia receber R$ 981.305,40.

Em abril, uma decisão da Justiça já havia determinado ao São Paulo o pagamento de R$ 2.495.585,55, mas de acordo com o juiz Christopher Alexander Roisin, o clube não quitou a dívida. "Até hoje não há nos autos qualquer informação sobre o pagamento. É evidente a inércia. Narra a credora em seu arrazoado que o devedor vendeu ao Valência, agremiação espanhola, o atleta profissional Rodrigo Caio. O valor da operação perfaz o montante de R$ 44 milhões", diz o texto publicado no Diário de Justiça.

Em entrevista ao canal Fox Sports em maio o presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, confirmou ter recebido a decisão da Justiça para pagar a pendência de R$ 2,4 milhões e disse que pretendia usar parte da renda da bilheteria do Morumbi no jogo com o Cruzeiro, pela Copa Libertadores, para pagar a dívida.

Rodrigo Caio foi negociado na última semana e ainda não se apresentou ao clube espanhol. O zagueiro, revelado pelas categorias de base, tem 21 anos, também atua como volante, e chegou a interessar também o Mônaco, da França, e o Atlético de Madrid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.