Walter Bieri/EFE
Walter Bieri/EFE

Justiça dos EUA alerta a cartolas que ninguém está acima da lei

Procuradora Loretta Lynch anunciará nova etapa da investigação

Jamil Chade, correspondente em Zurique, O Estado de S. Paulo

14 de setembro de 2015 | 07h26

A procuradora-geral dos Estados Unidos, Loretta Lynch, alerta que nenhuma instituição ou pessoa ficará isenta do combate à corrupção ou acima da lei. Nesta segunda-feira, ela anunciará em Zurique uma nova etapa da investigação em relação ao escândalo de corrupção na Fifa. Mas em um discurso a procuradores de todo o mundo na manhã desta segunda já deixou claro que o processo vai ser aprofundado.

"Com a ação (contra a Fifa), deixamos abundantemente claro que procuradores de todo o mundo vão se unir para acabar com a corrupção e levar os criminosos à Justiça, seja onde estiverem, seja qual for a complexidade dos crimes e seja qual for o poder que tenham", declarou. 

No dia 27 de maio, a pedido de Lynch, a Justiça suíça prendeu sete dirigentes esportivos em Zurique, entre eles o brasileiro José Maria Marin, que aguarda para ser extraditado aos EUA. 

"Nossa mensagem é clara: nenhum indivíduo está acima da lei. Nenhuma organização corrupta está fora do alcance", disse. "E nenhum ato criminoso pode escapar de um esforço coordenado de homens e mulheres lutando pela Justiça", afirmou a americana. Segundo ela, a corrupção "mina nossos valores" e "abala as fundações de nossa sociedade global." 

Lynch deixou claro que a ação contra a Fifa apenas foi possível graças a uma coordenação com o Ministério Público dos EUA e de representantes de outros países. "Isso expôs altos funcionários da Fifa, líderes de organizações regionais, empresas que pagaram milhões por direitos de torneios internacionais", completou. A americana indiciou Marin por pelo menos dois crimes: corrupção na Copa do Brasil e envolvimento em distribuição de propinas na Copa América.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCBFLoretta LynchFifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.