Reprodução/Instagram oficial Neymar
Reprodução/Instagram oficial Neymar

Justiça Federal mantém bloqueio aos bens de Neymar

Defesa argumenta que desbloqueio vai acontecer com a formalização do acordo no Carf

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2017 | 15h31

A 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou recurso dos advogados de Neymar e manteve o bloqueio dos bens do atacante em julgamento realizado nesta terça-feira em São Paulo. Ainda cabe recurso. Os detalhes desta decisão só estarão disponíveis na próxima semana quando ela for publicada no Diário Oficial.

O bloqueio abrange imóveis do jogador e de sua família em Santos, Guarujá, São Vicente, Praia Grande, São Paulo e Itapema (SC), além de um iate e um avião. O jogador do Barcelona pode usufruir dos bens, mas não pode negociá-los.

A assessoria do jogador minimizou a decisão desta terça-feira e afirma que o desbloqueio está ligado ao recurso do processo fiscal julgado no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) no mês passado, quando o jogador obteve uma vitória expressiva. A defesa estima que a decisão reduzirá entre 50% e 70% dos R$ 188,8 milhões entre impostos e multas cobrados ao jogador pela Receita Federal.

"Como o acórdão do julgamento do CARF ainda não foi publicado, os desembargadores não puderam decidir. Tão logo saia o acórdão, os bens serão desbloqueados", informou a assessoria de Neymar em nota enviada ao Estado.

O advogado Marcos Neder classificou a decisão como "boa". "A Fazenda defendia que o desbloqueio só poderia ocorrer no final do processo administrativo. Os desembargadores, por outro lado, definiram que os imóveis serão desbloqueados no momento da formalização do acórdão", afirma Neder. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.