Mladen Antonov/AFP Photo
Mladen Antonov/AFP Photo

Justiça investiga ameaças de morte a colombiano expulso em estreia da Copa

Nas redes sociais, torcedores falam que Carlos Sánchez precisa ser assassinado como aconteceu com Andrés Escobar

O Estado de S.Paulo

21 Junho 2018 | 13h35

A justiça colombiana decidiu abrir investigações após dezenas de usuários publicarem mensagens nas redes sociais ameaçando de morte o volante Carlos Sánchez da seleção colombiana. O caso faz lembrar o assassinato de Andrés Escobar após ele ter feito um gol contra na Copa do Mundo de 1994. 

+ Sob pressão após derrota, Polônia teme eliminação diante da Colômbia

+ Falcao García diz que duelo com a Polônia será uma 'final' para a Colômbia

+ Seleção da Colômbia cobra bom comportamento de torcida na Rússia

'Se mataram Andrés Escobar por marcar um gol contra, então alguém precisa assassinar o Carlos Sánchez e urinar no seu cadáver', escreveu um dos internautas, que depois apagou a mensagem no Twitter. Outras postagens também foram feitas de ameaça contra o jogador.

Segundo informações da Blu Rádio, de Bogotá, a polícia local montou uma equipe para abrir um processo e investigar o crime digital. Desde 1994, todo tipo de ameaça a pessoa pública é investigada pela Colômbia para minimizar problemas e evitar uma nova tragédia, como aconteceu com Escobar.

Andrés Escobar era zagueiro da seleção colombiana durante a Copa de 1994. Na partida contra os Estados Unidos, o defensor foi tentar cortar uma bola e marcou gol contra, decretando a derrota por 2 a 1. Pouco tempo depois, o jogador de 27 anos foi assassinado em Medellín, na Colômbia, e a polícia concluiu que o crime teve ligação com apostas durante o Mundial. Apesar de toda a badalação, a Colômbia foi eliminada na primeira fase do Mundial. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.