Juvenal Juvêncio demite seu principal aliado no São Paulo

Para preservar Adalberto de desgaste, clube divulgou nota oficial informando que ele entregou o cargo

FERNANDO FARO e GONÇALO JUNIOR, O Estado de S. Paulo

26 de julho de 2013 | 07h31

SÃO PAULO - A sequência de oito derrotas consecutivas - ao todo, 11 jogos sem vitória - atingiu o coração da diretoria do São Paulo. Adalberto Baptista, diretor de futebol profissional e da base e um dos mais contestados pela torcida e também pelo elenco, está fora da cúpula tricolor.

Embora a diretoria tenha divulgado uma nota oficial informando que Adalberto pediu demissão, fontes ouvidas pelo Estado garantem que ele foi demitido pelo presidente Juvenal Juvêncio. O comunicado, que ressalta a conquista da Copa Sul-Americana e a conquista da vaga para a Libertadores 2013, seria uma forma de preservar o dirigente de um desgaste ainda maior com a opinião pública.

A saída foi, até certo ponto, surpreendente, já que ele seria o chefe da delegação são-paulina na excursão que se inicia na segunda-feira pela Europa e Japão. "O São Paulo lamenta profundamente o pedido e agradece o trabalho e a dedicação do Dr. Adalberto Baptista, que prestou relevantes serviços a nossa instituição. Durante o período em que esteve à frente da diretoria, estrelas do nosso futebol foram incorporadas ao elenco, nos sagramos campeões da Copa Sul-Americana e a vaga para a Libertadores 2013 foi conquistada", diz a carta.

Provisoriamente, o vice-presidente de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, responderá pelas funções da diretoria de futebol e Marcos Tadeu reassume a função de diretor das categorias de futebol de base. Essa configuração, no entanto, é interina. Pintado, campeão das Libertadores de 1992 e 1993, além do Mundial de 1992, deve assumir a diretoria de futebol.

SALVAÇÃO

Acusado de arrogante e de se manter distante do cotidiano do futebol, Adalberto praticamente definiu sua saída do clube quando criticou publicamente o goleiro Rogério Ceni após a derrota para o Corinthians no segundo jogo da final da Copa Sul-Americana.

"Todos sabem que ele (Ceni) está com uma lesão no pé direito, que ainda incomoda. Até por isso, ele está com deficiência em alguns pontos fortes que são a reposição de bola e a saída de gol".

A declaração foi uma resposta às críticas de Ceni à diretoria. O goleiro havia dito que "o São Paulo parou no tempo".

Com a demissão de Adalberto, Juvenal tenta resgatar o prestígio e deixa de prolongar uma situação que era, na verdade, insustentável. Além disso, o presidente já projeta o cenário das eleições do clube do ano que vem. Como o ex-diretor de futebol já não era figura unânime no Conselho Deliberativo, Juvenal preferiu sacrificá-lo para manter o apoio político para 2014.

O presidente também quis se alinhar à vontade da torcida, que considera Adalberto um dos principais responsáveis pela crise sem precedentes que tomou conta do clube. Foi a maneira que o presidente encontrou para legitimar a escolha de Paulo Autuori como treinador - Muricy era o preferido dos torcedores.

Outros fatores de desgaste de Adalberto foram a distância em relação ao time - ele estava na Europa na derrota para o The Strongest, por 4 a 3, pela Libertadores, por exemplo -, a defesa de Ney Franco, demitido para a contratação de Paulo Autuori, e a responsabilização do elenco pela crise.

Por todas essas razões, seu nome foi o principal alvo dos protestos da torcida. Antes e depois da derrota para o Cruzeiro, no Morumbi, no último sábado, manifestantes mostravam cartazes com os dizeres "Cala a boca, Adalberto".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.