Juventude bate o Vasco, que não vence há 7 jogos, por 1 a 0

Gol de Fabio Baiano, num contra-ataque, coloca em risco a permanência de Celso Roth no time carioca

Silvio Barsetti, Estadão

03 de outubro de 2007 | 22h51

O Vasco chegou ao sétimo jogo consecutivo pelo Campeonato Brasileiro sem vencer. E nesta quarta-feira a equipe carioca foi derrotada pelo penúltimo colocado da competição, o Juventude, por 1 a 0, em São Januário. Com o resultado, o técnico Celso Roth começa a ter seu trabalho questionado pela diretoria do Vasco. Nesta quinta, uma reunião na sede do clube deve definir a situação dele. Veja também: Classificação Últimos resultados / Próximos jogosApesar do apoio parcial da torcida, o Vasco não começou a partida como seu técnico prometera: pressionando o adversário. O time da casa criava poucas oportunidades e sentia a falta de seu melhor jogador, o atacante Leandro Amaral, que ontem cumpria suspensão. O substituto, Enílton, até que se esforçava para suprir a ausência do artilheiro, mas não produzia quase nada. Ele esteve por marcar duas vezes, de cabeça, mas não teve força nem competência para superar o goleiro Michel Alves.  VASCO0Sílvio Luiz; Jorge Luiz, Júlio Santos e Amaral; Wagner Diniz    , Andrade (Marcelinho), Perdigão    , Conca e Rubens Júnior (Guilherme); Abuda (Alan Kardec) e EníltonTécnico: Celso Roth JUVENTUDE1Michel Alves; Barão, Juliano, Nunes e Alex Cazumba; Vanzini (Renato), Marcão    , Marcelo Costa     e Bruno; Alex Alves (Fábio Baiano) e Tadeu (William)Técnico: Beto AlmeidaGols: Fábio Baiano, aos 32 minutos do segundo tempoÁrbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (SP)Renda: R$ 35.260,00Público: 3.526 pagantesEstádio: São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)O Juventude também se aventurava ao ataque e até deu algum trabalho para o goleiro Sílvio Luiz no primeiro tempo: numa falta bem cobrada por Alex Alves e depois num chute forte de Tadeu. Nas duas vezes, o número 1 do Vasco se saiu bem e evitou o gol. O Vasco foi um pouco melhor até a metade do segundo tempo. Demonstrava mais disposição, mas o Juventude exercia boa marcação e conseguia reter o jogo no meio. Ainda assim, Enilton teve outra oportunidade de definir, diante de Michel, que praticou defesa arrojada. Na base dos contra-ataques, o Juventude passou a levar perigo. Mais ainda depois da entrada do experiente Fábio Baiano, que ocupou a vaga de Alex Alves. E foi numa arrancada de Fábio Baiano, após passe de Bruno, que o time de Caxias do Sul fez o gol. O veterano jogador deu um pique, deixou os zagueiros do Vasco para trás e deslocou Silvio Luiz para fechar o placar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.