Juventus: a "asa negra" do Corinthians

O Juventus, fundado em 1924, disputou a Divisão Principal do futebol paulista pela primeira vez em 1930. E como cartão de visitas, foi logo surpreendendo o então, todo-poderoso Corinthians: 2 a 1, em pleno Parque São Jorge. Em 14 de setembro daquele ano, o jornalista Thomaz Mazzoni resolve apelidar a equipe da Mooca de Moleque Travesso. Dali para frente, os duelos entre Juventus e Corinthians seriam um martírio para o alvinegro. Além de Moleque Travesso, a pequena equipe da Rua Javari carregaria outro rótulo, o de "Asa negra do Corinthians." Em 1936, os paulistas veriam nova molecagem. O Corinthians estava há quase um ano sem perder. Estava. A série acabou com os 4 a 2 na Rua Javari. Os anos 70 foram os piores para o Corinthians. Em 1971, derrota por 1 a 0, gol de Toninho Minhoca, após driblar Zé Maria e Ado. No ano seguinte, com gol de falta de Brecha, o resultado se repetiu, o que fez Eduardo Varella ganhar o maior prêmio da história das loterias: Cr$ 11.661.637,99. Em 76, Ataliba, ainda pelo Juventus, anotou os dois gols da vitória por 2 a 1. Três anos mais tarde, o Corinthians vencia por 2 a 0 e permitiu a virada: 3 a 2. O jogo que entrou para a história e que os juventinos não esquecem, aconteceu no dia das mães de 1989. Empate por 1 a 1 no Pacaembu, com gol de bicicleta de Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.